You are here
Home > Empresa > J&F contrata empresa de advogados nos EUA e nega contrato com bancos brasileiros para vender ativos

J&F contrata empresa de advogados nos EUA e nega contrato com bancos brasileiros para vender ativos

A J&F Investimentos, controladora do grupo JBS, confirmou por meio de nota enviada à imprensa na noite desta terça-feira (23) que contratou o escritório Trench, Rossi e Watanabe nos Estados Unidos, em meio ao escândalo sobre distribuição de propinas para políticos brasileiros. O jornal O Globo noticiou em reportagem em 17 de maio que a J&F havia contratado esse escritório para negociar um acordo de leniência com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, após executivos do grupo terem fechado uma delação premiada no Brasil que revelou o esquema de propinas e gravação de conversa com o presidente Michel Temer sobre o tema.

Na terça-feira (23) à noite, a J&F ainda negou que tenha contratado o Bradesco BBI ou outro banco para vender ativos, em resposta à notícia divulgada pela Reuters na terça-feira (23). “A J&F Investimentos informa que não é verdadeiro o relato de que contratou o Bradesco BBI ou qualquer outro banco para a venda de ativos”, informou a empresa.

Matéria da agência de notícias Reuters reportou que a JBS e a família controladora da empresa teriam contratado o Bradesco BBI para trabalhar em um plano para venda de vários ativos após o escândalo decorrente das revelações da delação premiada de Joesley e Wesley Batista na semana passada, segundo três fontes com conhecimento direto do assunto. A família, que controla cerca de 42 por cento da JBS, estaria buscando maneiras de levantar capital para pagamento de multa do acordo de leniência ainda em negociação.

A Reuters disse que a JBS e o Bradesco BB não responderam imediatamente às solicitações de comentários para a matéria na terça-feira (23).

Negociações com o MP

O grupo J&F disse também em comunicado na noite de terça-feira que as negociações com o Ministério Público Federal brasileiro para um acordo de leniência no país prosseguem. O escritório contratado pela J&F no Brasil é o Baker McKenzie. A J&F tinha até a sexta-feira (19) para dar uma resposta em relação à proposta do MPF que defendia o pagamento de R$11,2 bilhões pela empresa como multa do acordo leniência no Brasil. Mas as partes não chegaram a um consenso, já que o grupo J&F queria pagar R$1 bilhão.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top