You are here
Home > Artigos > Boleto é o querido das pequenas empresas

Boleto é o querido das pequenas empresas

Com o desemprego, muitas pessoas buscaram alternativas para ter uma renda. Com isso, o número de empresas formalizadas no primeiro semestre deste ano foi de 1,8 milhão (+ 20% ante o mesmo período de 2018), segundo o Serasa Experian. Para se ter uma ideia, o mês de julho contou com 281.644 novos empreendimentos, um novo recorde desde o início da pesquisa, em 2010.

Abri meu negócio e agora? Dentre as inúmeras dificuldades dos novatos no empreendedorismo, está a automação – especialmente dos recebimentos. Neste quesito, o boleto é o querido das pequenas empresas, pois é seguro, rápido, fácil e pode ser pago em alguma rede bancária ou em casas lotéricas.

A estimativa da Febraban é que sejam emitidos 6,6 bilhões de boletos em 2019. Não há garantias de pagamento, mas depois que ele se tornou registrado é possível rastrear para entrar em contato com o cliente e lembrá-lo que ele tem um débito pendente, oferecendo uma segunda via.

Então, além de mapear a inadimplência, o boleto amplia as possibilidades do cliente para realizar o pagamento (que podem ser avulsos ou recorrentes), além de oferecer a ele a vantagem de não utilizar o limite do cartão de crédito. Uma ótima dica para as pequenas empresas é oferecer descontos para os clientes que optarem por esse tipo de pagamento. Assim, ela também se livra da taxa de cobranças das operadoras e aumenta o lucro.

Para evitar a inadimplência e expandir as formas pagamentos, o ideal é contratar um sistema de pagamento online que fará o gerenciamento de toda a carteira e adotará estratégias de cobrança personalizadas de acordo com o perfil de cada cliente.

Dessa forma, o processo de cobrança será automático e padronizado, o que inclui: alerta de proximidade da data de vencimento, lembrete de pagamento vencido, emissão de segunda via de boleto, estabelecimento da régua de cobrança – método progressivo de cobrança que pode começar de forma branda e evoluir para cobranças judiciais.

O artigo foi escrito por Patrick Negri, que é empreendedor, desenvolvedor, hustler e CEO da iugu, primeira plataforma online para automação financeira do Brasil.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top