You are here
Home > Finanças > 5 investimentos para 2020

5 investimentos para 2020

A taxa básica de juros do Brasil (Selic) está no seu menor patamar histórico, a inflação segue controlada e a economia dá sinais de recuperação. Como se vê, o cenário para 2020 continua muito promissor para os ativos financeiros. Mas escolher onde aplicar seu dinheiro ainda é um dos principais desafios dos brasileiros, que estavam acostumados com retornos altos em investimentos conservadores.

Para obter retornos acima da média é necessário correr riscos, mas que podem ser diluídos ao diversificar sua carteira. Walter Poladian, que é sócio-fundador do Fliper, aponta cinco investimentos que podem fazer parte do seu portfólio em 2020:

1 – Fundos DI sem taxa de administração

O primeiro investimento do portfólio deve ser alocado em uma aplicação de baixíssimo risco e que tenha possibilidade de resgate rápido. Para a chamada “reserva de emergência”, algumas plataformas digitais disponibilizam fundos DI isentos de taxa de administração. São alternativas seguras, com resgate no mesmo dia e mais rentáveis que a poupança. Além de ser a parcela conservadora do portfólio, este colchão de liquidez é importante para cobrir despesas de curto prazo e para aproveitar oportunidades de investimento que apareçam no caminho. Ou seja, é o seu caixa remunerado.

2 – Fundos multimercados

O investimento em fundos multimercados é interessante para uma parcela da carteira, uma vez que os gestores conseguem realizar investimentos mais sofisticados e não acessíveis ao investidor pessoa física comum. Esses fundos podem investir em ativos de renda fixa e variável, e acessar oportunidades no mundo inteiro, nos mercados de Bolsa, câmbio e juros. Atualmente, é possível encontrar fundos de excelentes gestoras com aplicações mínimas mais baixas, antes acessíveis apenas aos milionários.

Fundos imobiliários – Os fundos imobiliários também são bons instrumentos para compor o portfólio, uma vez que podemos ter um ambiente mais favorável para essa classe de ativo, com uma expectativa de melhora do mercado imobiliário e com os juros em patamares baixos. Como o lote padrão dos FIIs é de apenas uma cota e algumas corretoras não cobram corretagem, não é necessário concentrar grande parte do patrimônio em apenas um fundo – é possível diversificar com fundos de edifícios comerciais, galpões logísticos, shoppings, entre outros. Além disso, os rendimentos (aluguéis) dos FIIs são isentos de IR para pessoa física, sendo uma alternativa mais vantajosa do que investir em imóveis físicos.

4 – Ações

Com a melhora da economia e crescimento dos lucros das empresas, a compra de ações pode potencializar os retornos do portfólio, ao mesmo tempo que adiciona mais risco. O investidor pode ganhar na valorização dos papéis e também na distribuição dos lucros pela empresa, via pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio. Caso o investidor não tenha capital para diversificar o portfólio papéis de diferentes empresas e setores, visando reduzir o risco, pode fazê-lo via ETFs ou fundos de ações.

5 – Dólar

É importante sempre ter uma parte do seu dinheiro em ativos que servem como proteção (hedge) para a carteira. A moeda americana tende a se valorizar frente ao real em cenários desfavoráveis. Uma vez que não sabemos quando um evento negativo poderá ocorrer, incluir seguros no portfólio permite ao investidor ter posições maiores em ativos de risco. A Alocação em dólar pode ser feita via fundos cambiais, moeda em espécie ou com investimentos no exterior.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top