You are here
Home > Finanças > Agibank investe 120% a mais em segurança de dados nos últimos dois anos

Agibank investe 120% a mais em segurança de dados nos últimos dois anos

Investir em segurança de dados não é mais uma vantagem que as instituições financeiras oferecem, mas uma obrigação. Com as operações bancárias sendo realizadas com o toque de um dedo no celular, as organizações buscam aprimorar suas ferramentas para evitar danos aos clientes e à própria reputação.

Nesse sentido, o Agibank, banco digital omnichannel que tem o propósito de melhorar o dia a dia das pessoas e facilitar sua vida financeira, investiu 120% a mais em segurança da informação no período de 2017 a 2019, com o objetivo de ampliar os controles e melhorar a experiência dos clientes.

“Prezar pela segurança dos dados é uma das premissas do Agibank, pois sabemos que isso impacta diretamente na relação de confiança que os clientes estabelecem com a gente. Saber que você pode realizar uma transação via aplicativo, comprar com cartão de crédito sem receio, sem correr riscos, são consequência de todo o esforço e investimentos que empreendemos, todos os dias”, conta Marcos Donner, gerente de segurança da informação do Agibank.

De acordo a Federação Brasileira dos Bancos, FEBRABAN, dos R$ 19,6 bilhões investidos em tecnologia no ano passado, 10% são destinados para Segurança da Informação. Mesmo com as demandas regulatórias existentes, como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e a resolução 4.658 do Banco Central, que estabelece a obrigação de uma política de segurança cibernética, os gastos na área tecnológica seguem consistentes, com um crescimento de 3%.

Uma das soluções que evidenciam o nível de segurança da informação empregado no Agibank está o mecanismo de autorização de transações financeiras. O sistema permite identificar o cliente de forma única e assinar digitalmente as operações bancárias envolvidas no processo, sendo o padrão Blockchain utilizado para troca de chaves criptográficas entre o Agibank e seus clientes. A autorização de transações com QR Code também é um mecanismo utilizado com bastante efetividade e experiência positiva para o cliente.

Além dos próprios controles em relação a segurança dos dados, o banco digital também investe em educação e orientação para ajudar o cliente a ampliar a própria consciência sobre o tema. “Apesar dos investimentos das instituições, os índices de fraudes eletrônicas ainda são expressivos, com os golpes direcionados aos próprios usuários dos canais eletrônicos. Logo, é nosso papel reforçar a cultura da segurança e da proteção de dados privados, por meio de campanhas de comunicação, de consultoria aos nossos colaboradores no processo de atendimento ao cliente, entre outras frentes”, reforça Donner.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top