Pesquisa aponta que trabalho freelancer deve crescer no cenário pós-Covid

Estudo global realizado pela ADP Research Institute, com trabalhadores de quatro continentes, demonstra que a busca por formas de trabalho mais flexíveis segue como um dos principais desejos das pessoas no que diz respeito a forma de atividade laboral, mesmo no cenário trazido pelo novo coronavírus. 

A pesquisa, que foi realizada nos cenários pré e pós-Covid-19, indica que, na primeira edição, entre os trabalhadores entrevistados no Brasil, 18% afirmaram preferência por atuar em um trabalho freelancer, caso tivessem esta escolha. Já na segunda consulta, efetuada em junho deste ano, essa porcentagem subiu para 20%.

Busca pelo equilíbrio

Segundo a vice-presidente de Recursos Humanos da ADP na América Latina, Mariane Guerra, os trabalhadores estão, cada vez mais, valorizando formas de trabalho que permitam um maior equilíbrio entre vida profissional e outras atividades que lhes interessam. Por isso, é natural vermos um incremento de formas laborais mais flexíveis, como o freelancer. 

“Um outro dado trazido pelo estudo enfatiza também que, com o avanço das novas tecnologias, que permitiu aos trabalhadores executarem com facilidades as suas atividades de forma remota, os gestores, também, estão mais receptivos à implementação de formas de trabalho que possibilitem maior tempo livre aos funcionários”, pontua Mariane. 

Trabalho flexível

A pesquisa aponta, ainda, que a porcentagem de trabalhadores brasileiros que afirmam que suas empresas possuem uma política oficial que permite trabalho flexível quase que dobrou na comparação com a primeira edição do estudo, passando de 27% dos entrevistados para 50%.

A primeira parte da pesquisa foi realizada entre os meses de novembro e dezembro de 2019, e ouviu 32 mil trabalhadores, em 17 países do mundo. Já a segunda edição, ocorreu entre os meses de maio e junho deste ano, portanto pós-coronavírus, e ouviu 11 mil trabalhadores, em seis países (Espanha,Reino Unido, EUA, China, Índia e Brasil), selecionados como representativos das regiões Ásia-Pacífico, Europa, América do Norte e América Latina, para o trabalho comparativo.  

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *