You are here
Home > Economia > Tecnologia pode ajudar setor gastronômico na retomada em 2021

Tecnologia pode ajudar setor gastronômico na retomada em 2021

Mais de 70% das empresas em todo o mundo aceleraram suas estratégias de transformação digital na pandemia de Covid-19, situação global que exigiu maior conectividade, necessidade de interação remota com clientes e entendimento de seus padrões de consumo.

O estudo, realizado pela global KPMG, veio reforçar o que todos já sabíamos: contar com tecnologia nos negócios é cada vez mais essencial para o sucesso das empresas. E, não poderia ser diferente para as do setor gastronômico.

“Hoje, já é possível contar com tecnologias capazes de atuar em todas as etapas do negócio. Elas permitem uma visão macro do empreendimento, auxiliam no gerenciamento das atividades diárias e apontam possibilidades a serem seguidas, impulsionando e sustentando o crescimento. Além disso, sobra tempo para os gestores se dedicarem à parte criativa, o que contribui para a inovação do mercado como um todo”, conta Eduardo Ferreira, CCO da ACOM Sistemas, empresa líder no desenvolvimento de tecnologia para gestão de empresas do setor de food service.

Segundo Ferreira, o uso de tecnologia para gestão de empreendimentos gastronômicos, especificamente, tem crescido a cada ano, por proporcionar maior praticidade, qualidade, economia e rentabilidade. E deve assumir, em 2021, uma posição de destaque, por apresentar funcionalidades que permitem aos empresários planejar e recuperar as perdas de 2020, para, enfim, crescer neste ano. 

Após o ano difícil que foi 2020 para todo o mercado em ocasião da pandemia, a tecnologia pode ser uma grande aliada dos estabelecimentos gastronômicos para planejar 2021, reverter perdas e alcançar as metas de dois anos inteiros em apenas um”, reforça Eduardo Ferreira.

Acompanhe os benefícios que a tecnologia pode proporcionar aos bares, restaurantes e redes:

Centraliza informações

Uma boa tecnologia de gestão de negócios permite centralizar os dados e a administração de um restaurante ou de vários (rede) em um único local – como finanças, cadeia de suprimentos, compras, entre outros, automatizando processos, ganhando tempo e reduzindo erros. E, ainda, através de integrações com sistemas de BI – Business Intelligence -, é possível obter uma análise completa do negócio, além de auxiliar a tomada de decisões por parte dos gestores.

Reduz custo das mercadorias 

Um sistema consegue realizar o controle de estoque, através do rastreamento dos suprimentos, e avisar o empresário a hora de reabastecer. Ele também analisa os custos de compra e mostra quanto a empresa está gastando com cada produto no estoque, para, assim, indicar possibilidades de pedidos que permitam diminuir o CMV – Custo de Mercadoria Vendida – e aumentar a lucratividade. “Esta funcionalidade permitiu que um cliente nosso conseguisse reduzir em 10% o CMV de seu restaurante. Ele percebeu que poderia comprar em maior quantidade, negociar valores mais baixos para os seus insumos e foi isso que ele fez”, conta Ferreira.

Automatiza compras

Várias ferramentas buscam o entendimento dos padrões de consumo de um estabelecimento, para assim, auxiliar na automatização das compras. O  ERP EVEREST, por exemplo, utiliza Machine Learning na análise dos padrões de compra e da baixa de produtos para montar pedidos automaticamente, quando estiver integrado a uma loja on-line.

Padroniza pratos e reduz desperdício 

Um recurso muito utilizado por redes de restaurantes é a padronização dos pratos. Através de uma funcionalidade, como o Ficha Técnica do ERP EVEREST, é possível ter a descrição detalhada de cada prato, definir a quantidade exata de cada ingrediente da receita, evitando desperdícios, o que acaba por refletir diretamente na qualidade e na rentabilidade de cada produto.

Rentabiliza o delivery

Muitos restaurantes que não contavam com o sistema de entrega tiveram que se adaptar durante a pandemia, e muitos que tinham reestruturaram processos para atender o aumento da demanda. Esta é uma tendência que veio para ficar e envolve muito o uso da tecnologia. Ferramentas de gestão podem auxiliar em toda esta fase do negócio, apontando qual prato custa mais, qual tem a maior saída, além de criar cardápios especiais ou de alta lucratividade.

Gestão financeira

Tecnologias de gestão trazem funcionalidades para organização e fácil acesso a informações dos setores contábeis, fiscais e financeiros. O ERP EVEREST, por exemplo, da ACOM Sistemas, possui o DRE (Demonstrativo de Resultado do Exercício), função que apresenta tudo isso em um relatório personalizado, de fácil visualização e entendimento ao proprietário do estabelecimento. “É possível visualizar pontos fracos e fortes dos negócios, assim como áreas que produzem lucro e as que estão dando prejuízo”, diz o CCO da ACOM.

Conciliação bancária 

A automatização dos processos bancários e fiscais possibilita ao empresário mais tempo para focar em estratégias, além de evitar erros em transações bancárias, completamente passíveis quando realizados manualmente.

Geração de Notas Fiscais

Automatizam a geração de notas fiscais, o que muitas vezes toma tempo e preocupa os gestores. Evitam erros e os profissionais ficam liberados para atuarem na parte estratégica.



 

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top