You are here
Home > Negócios > Empresas de alimentos criam soluções para atender às novas preferências dos clientes

Empresas de alimentos criam soluções para atender às novas preferências dos clientes

A pandemia do novo coronavírus alterou o comportamento dos consumidores. No caso específico das empresas do setor de alimentos o impacto foi ainda mais forte e novas estratégias de vendas tiveram que ser adotadas.

Eu conversei com o Ceo da Vapza, empresa paranaense que produz alimentos embalados a vácuo e cozidos a vapor, o executivo Enrico Milani, e ele me explicou que antes da pandemia 60% do faturamento decorria da venda para restaurantes, hotéis e lanchonetes e 40% do varejo. Com o isolamento social e a intensificação do trabalho em home office, este percentual se inverteu, uma vez que que os produtos da Vapza se encaixaram perfeitamente ao perfil do consumidor que está trabalhando em casa e tem pouco tempo para preparar seus alimentos.

Enrico Milani me disse que, no ano passado, as vendas da Vapza para o food service caíram 15%, porém cresceram 30% no varejo. Com isso, a indústria que tem sua fábrica na cidade de Castro e escritórios em Curitiba e São Paulo fechou 2020 com crescimento de 12% em relação a 2019. Para este ano está projetando um aumento de 15% em seu faturamento.

Outra solução utilizada pela Vapza foi o comércio eletrônico. Só no ano passado, o aumento das vendas por este canal foi de 47%. Segundo Enrico Milani, as vendas digitais da Vapza estão conectadas aos grandes marketplaces do País. Em 2020, as vendas via e-commerce representaram 1,5% do faturamento, mas a tendência é de crescimento. A indústria paranaense trabalha com um operador logístico em São Paulo para atender os pedidos do comércio eletrônico de todo o País.

A empresa também percebeu a necessidade de adotar outras estratégias, como promoções e descontos, que passaram a ser visadas pelos clientes, e fizeram com que a indústria se fortalecesse e crescesse neste difícil período de pandemia.

No entanto, Enrico Milani me informou que a alta do dólar, se por um lado ajudou nas receitas provenientes da exportação de produtos, de outro, encareceu as importações. Hoje, a Vapza exporta para 12 países. Já entre os produtos que importa estão o feijão branco, grão de bico e quinoa.

Com a valorização do dólar, alguns itens foram retirados de linha e, hoje, a indústria entrega no varejo, 48 produtos.

O CEO da Vapza me adiantou que no segundo semestre do ano a indústria vai lançar uma linha de produtos infantis. O valor do investimento nesta nova linha não foi revelada.

 

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top