You are here
Home > Artigos > Extensão do auxílio emergencial e liberalismo de quermesse

Extensão do auxílio emergencial e liberalismo de quermesse

A proposta em discussão entre membros dos ministérios da Economia e Cidadania, mencionada em evento público recente, pelo titular da pasta Econômica, Paulo Guedes, de estender, por um período de dois a três meses, o pagamento do auxílio emergencial às famílias vulneráveis, revela-se extremamente oportuna.

Os eixos explicativos da intenção de alongamento do benefício, vigente entre abril e julho de 2021, até os meses de setembro ou outubro, estão assentados no predomínio de apreciáveis incertezas quanto ao grau de sincronização entre ritmo e densidade da vacinação das pessoas contra a Covid-19 e da recuperação dos níveis de atividade.

Além da reconhecida lentidão do plano de imunização emerge a deterioração do mercado de trabalho, marcado pela multiplicação das relações informais, que, mensuradas em conceito amplo, respondem por mais da metade da ocupação de mão de obra.

Enquanto isso, técnicos e autoridades do executivo e legislativo se empenhariam na formulação e viabilização política de uma solução definitiva e permanente de proteção social, via transferência direta de renda, em substituição ao programa Bolsa Família, a vigorar a partir de 2022.

Decerto que tal expediente, ao configurar, ao mesmo tempo, causa e efeito da provável melhoria do ambiente de negócios, poderá contribuir para a restauração da popularidade do atual chefe de Estado brasileiro, combalida com a sofrível gestão da pandemia, escancarada pela CPI do Senado, e cacifá-lo à disputa da reeleição, no ano que vem.

É imperioso sublinhar que a iniciativa de extensão temporal do apoio financeiro aos mais atingidos pelos efeitos da crise sanitária ainda representa decisão de natureza meramente paliativa, que, por sinal, ocorre com mais de meio ano de atraso, em razão especialmente dos não poucos equívocos de avaliação cometidos no final de 2020.

Na ocasião, prevaleceu uma espécie de cegueira coletiva no interior das hostes palacianas, reforçada por diagnósticos e projeções otimistas oriundas dos meios especializados, centradas em apostas de arranque simultâneo da imunização e da economia.

Surpreendeu o desprezo à influência negativa do imbróglio da não efetivação de pedidos de vacinas na hora adequada e a morosidade do reerguimento do emprego após fortes recessões, sobretudo quando o setor de serviços, o maior empregador de mão de obra não qualificada, foi o mais castigado pelas quarentenas mal planejadas.

O cenário virtuoso que dominava as mentes iluminadas seria tangenciado pela proximidade do fim da 2ª onda da patologia e otimização das chances de aprovação de algumas reformas institucionais pelo parlamento, abertas com a constituição de maioria governista na Câmara dos Deputados e no Senado, conferida pela sedução e adesão do bloco chamado de Centrão.

Por essa perspectiva e considerando as amarras fiscais impostas pela necessidade de cumprimento do teto de gastos e não renovação do Orçamento de Guerra, pelo Congresso, o staff da Economia não prorrogou o amparo transitório e abandonou o trabalho de elaboração do mecanismo batizado preliminarmente de Renda Brasil, ou a assistência social perene, e desmontou o conjunto dos demais instrumentos destinados à sobrevivência das pequenas e médias empresas e solvência de estados e municípios.

Aliás, a deliberação improvisada de regresso do auxílio, em envergadura financeira e público alvo incomparavelmente menor do que aquele aplicado durante o lapso compreendido entre abril e dezembro de 2020, a partir de abril de 2021, e recriação do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), com característica permanente, igualmente com menos orçamento e carga de subsídios do que a de 2020, só aconteceu por conta da conjugação de três fatores adversos.

O grupo de elementos desfavoráveis reúne a persistência do quadro de anemia das transações e do emprego, exceto nos ramos articulados ao agronegócio exportador, a morosidade da vacinação e o recrudescimento descontrolado do surto de Sars-CoV-2, conformando, para alguns, a 3ª onda de contágios, hospitalizações, óbitos e exaustão dos vários sistemas de saúde espalhados pelo território nacional.

Operacionalmente, os recursos incrementais, estimados em R$ 25 bilhões, seriam bancados por créditos extras, encaixados no atendimento da situação de calamidade, e excluídos da rubrica de despesas da União inscritas no cálculo do teto primário.

Porém, o mais importante é que, decorridos quase dois anos e meio de mandato presidencial, e um ano e três meses desde a entrada do Novo Coronavírus no Brasil, com a contabilização de quase 500 mil mortes – ocasionadas pelo patógeno, pela falta de socorro adequado e pela ausência e/ou insuficiência de vacinas –, a fração do governo menos suscetível aos embaraços provocados pela ideologia da terra plana e/ou o militarismo caduco, percebeu algo que sempre pareceu evidente fora da esplanada dos ministérios.

Mais especificamente, ao menos as áreas da saúde, cidadania e economia vem gradativamente demonstrando convencimento acerca do caráter inexorável de priorização da vacinação em massa da população e prorrogação e alargamento da cobertura de inclusão dos estratos da base da pirâmide social, como requisitos indispensáveis à recuperação econômica em bases sólidas.

Em outras palavras, mesmo a contragosto, o movimento de prorrogação da ajuda temporária aos marginalizados na configuração de rendimentos pode constituir o princípio da rendição do liberalismo de quermesse aos requerimentos de atuação anticíclica do Estado, notadamente quando se vislumbram possibilidades de colheitas de dividendos eleitorais.

Urge preparar estratégias sociais contemporâneas, englobando criteriosa revisão do Bolsa Família, drástica redução de subsídios desprovidos de transparência funcional e extinção de programas de eficácia duvidosa, de modo a assegurar espaço fiscal à preservação dos rendimentos de trabalhadores desempregados de baixa renda, quando desempregados, e formação de poupança financeira destinada ao atendimento de jovens que completarem os estudos e estiverem transitoriamente foram da dinâmica de ocupações.

Até porque, a rigidez na oferta de emprego deve ser a tônica de sistema econômico brasileiro que, mesmo que venha a crescer perto de 5% em 2021, encerrará o ano quase 3% abaixo do patamar anterior a depressão, desencadeada em abril de 2014. Isso sem incorporar, aos modelos de predição, a premissa de acentuada interferência de alterações tecnológicas, nas formas de trabalho e nos processos de circulação das pessoas, aprofundadas pelo desastre sanitário.

O artigo foi escrito por Gilmar Mendes Lourenço, que é economista e ex-presidente do Ipardes.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top