Alguns tipos de negócios têm características essencialmente femininas

Com R$ 35 mil é possível abrir um salão de beleza.
Com R$ 35 mil é possível abrir um salão de beleza.

Nesta terça-feira (8) será comemorado o Dia Internacional da Mulher. E elas estão se destacando no que diz respeito ao empreendedorismo. Alguns segmentos de mercado, inclusive, são considerados negócios essencialmente para mulheres porque são explorados principalmente pelo público feminino devido a características, tanto do próprio nicho como do estilo de liderança.

Eu pesquisei alguns setores onde a probabilidade de sucesso das mulheres é maior. Por exemplo, o salão de beleza. Essa é uma boa ideia de negócio, já que o público feminino além de frequentar o local, possui um senso de estética, geralmente, mais apurado que os dos homens.  No caso de franquias, algumas delas exigem que seja uma liderança feminina para conduzir o negócio. O investimento para este tipo de negócio não é alto. Com R$ 35 mil, dá para abrir um salão enxuto, mobiliar e garantir o pagamento dos funcionários, aluguel e despesas por 3 meses após a abertura.
Já montar uma pequena empresa para confeccionar ou reparar roupas pode ser a opção ideal para as mulheres que gostam desse tipo de atividade. A grande vantagem do negócio é a possibilidade de trabalhar em casa.

Outra opção é trabalhar com roupas íntimas. Qual mulher não gosta de ter no seu guarda-roupa belas lingeries? Quando bem administrado e com peças atraentes e de qualidade esse setor pode ser uma ideia de sucesso. Investir na plataforma de venda online é uma boa saída, pois muitas mulheres têm vergonha de adquirir as peças pessoalmente.

Para as mulheres criativas, um bom negócio é o de decoração, que vai desde festas infantis a grandes eventos como casamentos e formaturas. O valor pago pelo serviço, quando de qualidade, pode render uma boa economia para a empreendedora.

Agora, para as mulheres habilidosas, seja com bijuterias, pintura, bordado ou até mesmo confecção de produtos personalizados, o artesanato é outra boa opção e que exige baixo investimento. O ideal, no início, é criar uma plataforma online, colocar fotografias dos trabalhos e fazer a divulgação para que as encomendas comecem a aparecer.

Outras atividades onde as mulheres têm grandes chances para empreender são as escolas de idiomas, agências recrutadoras, decoração e paisagismo e  venda de joias e semi-joias.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *