You are here
Home > Infraestrutura > Ministro dos Transportes assina ordem de serviço para início da dragagem de aprofundamento do Porto de Paranaguá

Ministro dos Transportes assina ordem de serviço para início da dragagem de aprofundamento do Porto de Paranaguá

Porto - ContratoO ministro dos Transportes, Maurício Quintella, assinou nesta quinta-feira (02/02) a ordem de serviço para início das obras de dragagem do Porto de Paranaguá (PR). A execução do projeto compreende o aprofundamento do canal de acesso aquaviário, bacia de evolução e berço público do Porto. O Ministério dos Transportes vai investir um total de R$ 394 milhões nos serviços de dragagem. Na oportunidade, o ministro assinou também a aprovação do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Paranaguá.

Para o ministro Quintella, a obra vai propiciar a melhoria da segurança de navegação, evitando a espera das janelas de entrada de navios de grande porte, o que vai ao encontro da meta da autoridade portuária em manter o nível de espera zero. “Além da ampliação de cargas em mais de 10,5 mil toneladas, com o aumento de profundidade em 1,5 metro nos berços. Esta dragagem vai impulsionar o crescimento da capacidade portuária do Estado”, explica o ministro. O prazo previsto para a conclusão da obra é de 11 meses, contrato que será executado pela empresa DTA Engenharia Ltda, que venceu a licitação.

Há 20 anos que o porto não passava por dragagens de aprofundamento – foram feitas três dragagens, de manutenção, entre os anos de 2012 e 2016. “O porto não poderia esperar mais por esta obra pelo alto grau de influência de Paranaguá para o setor produtivo do país”, afirma Quintella.

Com 1,5 metros a mais de profundidade, apenas no Terminal de Contêineres, será possível carregar 1.050 Unidades de Contêiner a mais por navio. Todos os investimentos em infraestrutura realizados ao longo dos últimos em Paranaguá pela Appa e Governo do Estado, bem como a condução do processo de obtenção de licenciamento da obra, foram essenciais para que o porto recebesse a dragagem de aprofundamento. “Nos preparamos para dar este passo. Já repontencializamos o porto desde seu Pátio de Triagem, suas entradas e balanças, até o cais de atracação, que passou pela sua maior reforma em 80 anos”, explica o secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.

A dragagem ocorrerá em três áreas que permitem o acesso de navios numa extensão de, aproximadamente, 45 quilômetros. Ao todo, serão dragados 14,2 milhões de metros cúbicos de areia, quantidade suficiente para encher 15 estádios de futebol como o Maracanã. Todo o processo de obtenção do licenciamento ambiental junto ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) foi conduzido pela Appa.

Com a nova dragagem, o canal de acesso ao Porto de Paranaguá, chamado canal da Galheta, passará a ter 16 metros de profundidade. Hoje, o canal possui 15 metros.

A Bacia de Evolução do canal – área utilizada pelos navios para manobra e atracação – ganhará mais dois metros de profundidade com a nova dragagem, passando de 12 para 14 metros. Já as áreas intermediárias, localizadas entre o Canal da Galheta e a Bacia de Evolução, passarão a ter entre 14 e 15 metros de profundidade.

PRODUTIVIDADE – Com o aumento da profundidade em 1,5 metros nos berços, cada navio que atraca no Porto de Paranaguá poderá ter a sua carga ampliada em 10,5 mil toneladas. Isso representa um aumento mensal, apenas no Corredor de Exportação, de 315 mil toneladas que poderão ser carregadas a mais. (veja o infográfico)

O diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina, Luiz Henrique Dividino, explica que o principal benefício da dragagem de aprofundamento é a segurança para a navegação. “A dragagem trará maior segurança para a navegação, independente da maré. Além disso, permitirá promover ganhos de escala para redução do custo Brasil”, reforçou .

O assoreamento dos canais de navegação é um fenômeno natural de recomposição dos materiais no fundo dos canais. O canal de Galheta, que dá acesso aos portos do Paraná, é artificial e foi aberto na década de 1970, o que possibilitou ao Porto de Paranaguá se posicionar como o segundo maior porto público da América Latina e uma das maiores plataformas de exportação de grãos do mundo.

O Porto de Paranaguá fechou o ano de 2016 com 45,1 milhões de toneladas movimentadas. O resultado é 2% superior ao alcançado em 2015, quando 43,9 milhões de toneladas de cargas foram movimentadas. Ao todo, foram exportadas 27,9 milhões de toneladas por Paranaguá em 2016. O crescimento mais significativo foi no embarque de açúcar, que movimentou 5,1 milhões de toneladas e registrou 19% de aumento em relação a 2015.

A marca foi alcançada em função dos recentes investimentos, no valor de R$624 milhões, realizados pelo Governo do Estado em obras de infraestrutura, entre elas, o reforço do cais e as dragagens de manutenção.

Outro tipo de mercadoria que impulsionou o resultado do porto em 2016 foi a exportação de carga geral. As 5,8 milhões de toneladas embarcadas conferiram à carga um aumento de 5% em relação ao ano anterior.

O ministro Maurício Quintella também assinou a aprovação do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Paranaguá (PDZPO). Formulado em parceria com a comunidade portuária, usuários, entes públicos e privados, o Plano é a linha mestra de desenvolvimento dos portos. Este é o primeiro plano de desenvolvimento e zoneamento feito em total consonância com o Plano Nacional de Logística Portuária (PNLP), do Governo Federal, e em conformidade com todas as resoluções ambientais vigentes.

A partir dele, são estabelecidas as diretrizes para o crescimento da estrutura portuária e da expansão das áreas dos terminais. Nele está previsto o aumento da demanda pelo porto até 2030.

Estiveram presentes na solenidade o secretário de Infraestrutura Portuária do Ministério dos Transportes, Daniel Maciel; o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Adalberto Tokarski; o prefeito de Paranaguá, Marcelo Roque; o deputado estadual, Tião Medeiros; o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná, Antônio Carlos Bonetti; empresários do setor, vereadores e representantes dos sindicatos portuários.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top