You are here
Home > comércio > Varejo do Paraná tem queda de 3,12% no primeiro trimestre do ano

Varejo do Paraná tem queda de 3,12% no primeiro trimestre do ano

A venda de móveis cresceu 32,9% no Estado.

O varejo do Paraná fechou o primeiro trimestre do ano com queda da 3,12%. Os dados são da Pesquisa Conjuntural da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR). No acumulado do ano (janeiro a março), o setor de móveis, decorações e utilidades domésticas foi o que teve maior crescimento, com alta de 32,9% no Estado. Em Curitiba, as lojas do ramo tiveram aumento de 49,89% no faturamento; em Londrina, de 14,95% e, em Maringá, 6,77%. Esse crescimento foi motivado pela grande oferta de novos imóveis e também porque na Capital foram realizadas promoções muito agressivas para alavancar as vendas.

Outro ramo com resultado positivo na média estadual foi o de calçados, que registrou elevação de 10,52% na média estadual, exceto nas regiões de Ponta Grossa, Oeste e em Curitiba e Região Metropolitana.
Os demais segmentos do varejo ficaram negativos no trimestre, principalmente as livrarias e papelarias (-14,12%), postos de combustíveis (-13,57%) e autopeças (-10,57%).

Apesar do acréscimo de 15,4% nas vendas em relação a fevereiro (mês que possui menos dias úteis), março apresentou redução de 2,47% ante o mesmo mês de 2016. Desta forma, a análise interanual (março de 2017 em relação a março de 2016), revela que os saques das contas inativas do FGTS, que tiveram início naquele mesmo mês, geraram reflexos pouco impactantes no comércio, até porque a maioria dos consumidores têm utilizado o dinheiro extra para saldar dívidas ou realizar investimentos.

De acordo com a Fecomércio PR, já era esperado que as vendas do mês de março não tivessem um salto expressivo, pois havia sido liberado apenas o primeiro lote do FGTS e seus reflexos indiretos no comércio com o pagamento de dívidas serão percebidos apenas a médio prazo. Além do mais, apesar de benéfica, a liberação dos saques das contas inativas não será suficiente para recuperar a economia.

Análise regional

No acumulado do ano, todas as regiões pesquisadas tiveram resultados negativos. A queda mais expressiva foi verificada no Litoral, com redução de 12,03% nas vendas. Na sequência ficou a região Oeste, com redução de 8,82% no faturamento do comércio em geral, puxado pelo fraco desempenho das concessionárias de veículos, postos de combustíveis e pelas lojas de vestuário e tecidos, calçados e de móveis, decorações e utilidades domésticas.

A região de Maringá mostrou baixa de 7,99%, motivada pela queda nas vendas dos setores de autopeças, livrarias e papelarias, combustíveis e lojas de departamentos.

Em Ponta Grossa, o trimestre também foi de perdas, na ordem de -5,1%. Contribuíram para o resultado os ramos de calçados, livrarias e papelarias, móveis, decorações e utilidades domésticas e combustíveis.

As demais regiões tiveram saldos menos desastrosos. Em Londrina as vendas caíram 1,47% nos três primeiros meses do ano; em Curitiba e Região Metropolitana, de -0,82%, e na região Sudeste, de -0,13%.

O otimismo do empresário paranaense ainda não passa de uma sensação. A formação de estoques no mês de março foi 0,59% menor do que no mesmo período de 2016. Os setores que apresentaram maior diferença positiva no estoque foram móveis, decorações e utilidades domésticas (24,28%), calçados (21,4%), vestuário e tecidos (6,77%), e concessionárias de veículos (7,98%).

Nível de emprego aumenta 0,81%

O Paraná terminou 2016 com desemprego de 5,39%. Mas no primeiro trimestre de 2017 houve aumento de 0,81% no número de postos de trabalho, motivado principalmente pelas contratações na região da Capital, que tiveram alta de 4,49%. Ponta Grossa também apresentou alta nessa variável (0,42%).

Os rendimentos dos trabalhadores foram 40,8% menores do que o mesmo período de 2016.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top