You are here
Home > Finanças > Usar a tabela Fipe na hora de vender seminovos pode não ser uma boa alternativa

Usar a tabela Fipe na hora de vender seminovos pode não ser uma boa alternativa

A tabela Fipe – Tabela da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas – é muito utilizada pelos consumidores para consultar preços antes da compra ou venda de um veículo. Por ela, é possível consultar os resultados de mais de 125 mil cotações, feitas em agências de automóveis de 24 estados brasileiros, revistas e jornais especializados. A partir de uma busca rápida com marca, modelo e ano do veículo o usuário pode encontrar o valor sugerido para compra ou venda de um seminovo.

No entanto, a Volanty, plataforma online que conecta vendedores e compradores de carros seminovos, explica que usar a tabela como único parâmetro para vender um veículo não é uma boa alternativa, e muitas vezes o valor que consta na tabela não reflete a realidade do mercado.

“O vendedor pode encontrar dificuldades de achar um comprador que queira pagar o preço pedido. Enquanto a tabela FIPE mostra um valor único, existem veículos do mesmo ano e modelo à venda no mercado com até R$ 20 mil de diferença no preço. Isso se deve, principalmente, às variações de oferta e demanda entre regiões, estados e cidades brasileiras”, explica o sócio-fundador da Volanty, Maurício Feldman.

Além disso, outros fatores são determinantes na precificação do mercado e não fazem parte do cálculo da tabela, entre eles a quilometragem, o histórico de batidas, o estado de conservação, a quantidade de donos que o veículo já teve, a presença ou não de acessórios, cor, entre outros. Para Feldman, os brasileiros devem começar a criar o hábito de consultar outros tipos de plataforma de comparação e profissionais especialistas, para ter a real noção sobre os preços e não se deixarem levar pelo mercado.

“A Volanty, por exemplo, é uma facilitadora para que particulares vendam seu carro sem precisar ir até uma concessionária ou ficar negociando com desconhecidos. Para o vendedor, há a praticidade de não ter que ficar fazendo anúncios e atender os interessados, além da enorme vantagem do veículo não sofrer depreciação no valor – o que nas concessionárias chega muitas vezes a 20%”, finaliza.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

One thought on “Usar a tabela Fipe na hora de vender seminovos pode não ser uma boa alternativa

Deixe uma resposta

Top