You are here
Home > Finanças > Existe investimento seguro? Veja os mitos que cercam as diferentes formas de aplicar o seu dinheiro

Existe investimento seguro? Veja os mitos que cercam as diferentes formas de aplicar o seu dinheiro

Diz o ditado: quem não arrisca, não petisca. A sabedoria popular não falha. Mas quando o assunto é dinheiro, poucas pessoas estão dispostas a correr riscos para aumentar sua renda. O máximo que elas fazem é colocar tudo em uma caderneta de poupança ou algum outro produto oferecido pelo banco, que rendem bem menos do que outras diversas aplicações que estão disponíveis. Há uma falsa sensação de segurança nesses tradicionais formatos que impedem que os brasileiros consigam se tornar investidores de verdade e melhorem a rentabilidade de seus investimentos.

Felipe Medeiros.

Mas nem tudo que é propagado é de fato verdade. Muitas aplicações financeiras rendem mais do que a poupança, garantindo a mesma estabilidade para o poupador. É preciso desmistificar alguns pontos de modo a oferecer maior clareza para aqueles que desejam ver seus rendimentos crescerem com agressividade, mas sem abrir mão da segurança e também da liquidez.

Para esclarecer melhor isso, listei alguns dos principais mitos.

1 – Quem investe em renda fixa não perde dinheiro

Certamente quem possui qualquer tipo de aplicação já ouviu essa frase. A própria expressão “renda fixa” sugere uma garantia de rentabilidade. Mas não é o caso. Ainda que sejam produtos mais conservadores do que os considerados mais arriscados, como a renda variável, esses investimentos também possuem volatilidade e exigem estratégia e planejamento dos usuários. Há situações em que resgatar antecipadamente a aplicação faz com que a pessoa perca um percentual do que foi investido, por exemplo.

2 – É preciso ter muito dinheiro para investir em renda fixa

A democratização de diferentes produtos de renda fixa – sobretudo os que são oferecidos fora do banco – já permite que os investidores realizem pequenos aportes. Seja no Tesouro Direto, que parte de R$ 30, ou em outros investimentos como CDB, RDB, LCI, LCA e LC, é possível iniciar com poucos recursos e ir aumentando com o tempo. Além disso, alguns desses investimentos possuem isenção de imposto e muitas corretoras não cobram taxa de manutenção. É importante ter claro, porém, que quanto maior o valor investido, maior será o seu retorno.

3 – O FGC é um instrumento do governo para assegurar investimentos

O Fundo Garantidor de Crédito (FGC) também é apontado como mais um recurso de segurança para os investimentos de renda fixa, pois dá proteção e fiscalização de investimentos. Entretanto, não é um órgão do governo. Se trata de uma iniciativa privada, sem fins lucrativos, mantida pelas próprias instituições financeiras. Muito se fala que o FGC possui um limite de cobertura por valor investido, o que é verdade. O limite é R$ 250 mil por investidor e por instituição financeira.

4 – O FGC garante todos os tipos de investimentos em renda fixa

Quando falamos de investimentos, não nos limitamos apenas à poupança ou outros formatos da renda fixa. Existem uma série de outros produtos. Porém nem todos os investimentos de renda fixa estão cobertos por esse seguro. Letra de Câmbio (LC); Letras hipotecárias (LH); Letras de crédito imobiliário (LCI); Letra de crédito do agronegócio (LCA); Recibo de depósito bancário (RDB) e certificado de depósito bancário (CDB). Todos esses estão cobertos pelo FGC. Porém, em se tratando de fundos de investimentos em renda fixa, ou até Tesouro Direto, os mesmos já não possuem essa cobertura. Portanto, fique atento.

5 – Investir em imóveis sempre é uma boa opção

Adquirir um imóvel pode não representar apenas a segurança de obter um ativo físico, mas de um negócio que pode se valorizar ao longo do tempo. Essa percepção não é equivocada. Porém, uma série de fatores entram em jogo quando se considera a compra de um imóvel como investimento de médio prazo. Um dos pontos principal é a forma como isso acontece. Vale a pena financiar um imóvel pagando juros? Seria esse o melhor custo de oportunidade? O que muita gente esquece é que os juros representam o custo do dinheiro; ou melhor, o custo de se alugar um recurso que não se possui. Além disso, quem contrai um financiamento paga ainda um seguro de vida, embutido nas próprias parcelas. Se os valores cobrados nas parcelas fossem investidos no mercado financeiro, a compra do imóvel ocorreria mais rapidamente. Isso sem falar no desconto pelo pagamento à vista. Por isso é importante avaliar outras possibilidades.

6 – A Renda Fixa sempre é o melhor investimento de longo prazo

Não há como prever qual tipo de aplicação é mais vantajosa a longo prazo por conta das inúmeras variáveis envolvidas. Entretanto, há diversas estatísticas no mercado que mostram que investimentos em renda variável, como ações, garantem uma melhor rentabilidade de longo prazo. Não é preciso ser especulador para ter sucesso nesta modalidade, basta investir em papéis de empresas sólidas e contar com o apoio de companhias especializadas para entender melhor a flutuação típica do mercado. E se não sabe como escolher boas ações para investir, pode fazer esse investimento contratando um gestor profissional para cuidar disso para você. Outras modalidades são fundos imobiliários, fundos de ações, ETFs, câmbio e ouro.

7 – Não é preciso ajuda para investir em aplicações com maior risco

A euforia de buscar investimentos que prometem grandes retornos financeiros levam muitos investidores a tomarem medidas impulsivas. Isso acontece especialmente na renda variável, como investir em ações negociadas na Bolsa. O interesse das pessoas em buscar opções mais sofisticadas de investimentos não é necessariamente algo negativo. Muito pelo contrário. Porém, é preciso se aventurar com muita cautela. Porque, como diz uma máxima do mercado financeiro, não existe almoço grátis. Para aqueles que não possuem muito conhecimento e investem em ações, por exemplo, existe uma chance enorme destes perderem dinheiro se fizerem isso sozinhas. Nesses casos é fundamental contar com a ajuda de profissionais qualificados, como os consultores, analistas e gestores, para ajudar nesse processo.

O artigo foi escrito por Felipe Medeiros, que é economista e sócio-fundador do Mais Retorno, plataforma de assessoria de investimentos em ativos financeiros.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top