You are here
Home > Trabalho/Emprego > Requisitos mais buscados nos candidatos a emprego pelo varejo, indústria, energia e mineração, healthcare, bancos e seguros

Requisitos mais buscados nos candidatos a emprego pelo varejo, indústria, energia e mineração, healthcare, bancos e seguros

Profissionais que dominem novas tecnologias e possuam habilidades cognitivas, sociais e emocionais terão mais espaço no mercado de trabalho. É o que aponta a Michael Page, consultoria especializada no recrutamento de alta e média gerência, parte do PageGroup. De acordo com a análise de consultores da companhia, essas habilidades são as mais buscadas nos setores de Energia e Mineração, Varejo, Indústria, Healthcare e Bancos e Seguros.

“Essa análise destaca muitas semelhanças nos padrões das competências mais requisitadas. Embora as habilidades sociais e emocionais estejam em demanda crescente em todos os setores, a necessidade de competências cognitivas básicas tende a diminuir nos segmentos bancário e industrial, a estabilizar nas áreas de saúde e a recuar ligeiramente no varejo”, explica Ricardo Basaglia, diretor geral da Michael Page e Page Personnel, parte do PageGroup.

Bancos e Seguros

Os serviços financeiros têm estado na vanguarda da digitalização. O setor bancário e de seguros, provavelmente, terá uma mudança significativa na demanda por habilidades até 2030, principalmente por ter uma série de usos potenciais para a inteligência artificial (IA), especialmente na prevenção de risco, na personalização de serviços e na comercialização de produtos aos clientes.

O número de trabalhadores, como caixas, contadores e funcionários de corretagem, diminuirá à medida que a automação for adotada. A necessidade de uma força de trabalho que use apenas habilidades cognitivas básicas, como entrada e processamento de dados, alfabetização básica e numeração básica, provavelmente diminuirá bastante.

Enquanto isso, a demanda por especialistas em tecnologia e outros profissionais crescerá, assim como o número de ocupações que exigem interação com o cliente e gerenciamento. Esse aumento impulsionará um forte crescimento na demanda por habilidades sociais e emocionais.

Energia e Mineração

A automação e a inteligência artificial estão permitindo que as empresas exploradoras de minérios e fontes de energia aproveitem novas reservas, além de aumentar a eficiência da extração e da produção.

O trabalho manual previsível e as tarefas administrativas que envolvem a manipulação de dados, como a leitura de medidores, estarão suscetíveis a serem deslocados, enquanto a demanda por empregos tecnológicos será flutuante.

Espera-se que a demanda por habilidades físicas e manuais, juntamente com as habilidades cognitivas básicas, diminua, enquanto a demanda por habilidades cognitivas, sociais, emocionais e tecnológicas mais altas cresça verticalmente.

Healthcare

As novas tecnologias da quarta revolução industrial vão mudar a interação entre pacientes e profissionais de saúde. A demanda por provedores de cuidados, como enfermeiros e fisioterapeutas, continuará a crescer, enquanto a demanda por pessoal de apoio ao escritório sofrerá quedas devido à automação de tarefas relacionadas à manutenção de registros e administração.

A demanda por habilidades avançadas de TI, digitais básicas, de empreendedorismo e adaptação terá maior crescimento acumulativo. No entanto, a demanda por habilidades como inspeção de equipamentos e monitoramento de sinais vitais de pacientes irá estagnar, apesar do crescimento geral na área da saúde, à medida que as máquinas assumam tarefas mais rotineiras.

A saúde é o único setor em nossa análise em que a necessidade de habilidades físicas e manuais aumentará nos anos que antecedem 2030. Essa variação reflete as habilidades motoras mais brutas e a força necessária para ocupações como cuidadores de idosos e fisioterapeutas.

Produção

A próxima fase da automação e a aplicação da inteligência artificial na manufatura interromperá a contratação para funções de produção nas fábricas por meio de melhores análises e maior colaboração homem-máquina. Isso também terá impacto no desenvolvimento de produtos e no marketing de vendas.

A necessidade geral por habilidades físicas e manuais no setor está diminuindo mais do que o dobro em relação aos outros setores. Em relação às cognitivas básicas também está diminuindo, à medida que as funções de suporte ao escritório são automatizadas.

O número de profissionais, como representantes de vendas, engenheiros, gerentes e executivos, deve crescer. Isso levará ao crescimento da necessidade de habilidades sociais e emocionais, especialmente comunicação avançada e negociação, liderança, gerenciamento e adaptação.

Em relação à tecnologia, tanto habilidades avançadas de TI quanto habilidades digitais básicas, aumentarão à medida que mais profissionais de tecnologia forem necessários. A demanda por habilidades cognitivas mais altas crescerá, impulsionada pela necessidade de maior criatividade e processamento de informações complexas.

Varejo

A automação inteligente e a IA continuarão a remodelar a receita e as margens dos varejistas, pois as máquinas de auto verificação substituem os caixas, os robôs reabastecem as prateleiras, o aprendizado de máquina (algoritmos) melhora a previsão da demanda do cliente e os sensores ajudam no gerenciamento de estoque.

A participação de trabalhos manuais como dirigir, empacotar e armazenar em estoque, diminuirá substancialmente. Os trabalhos remanescentes vão, provavelmente, concentrar-se no serviço ao cliente, gerenciamento e implantação e manutenção de tecnologia.

A demanda por todas as habilidades físicas e manuais e pela entrada e processamento de dados básicos diminuirá, enquanto o crescimento será forte na demanda por habilidades interpessoais, criatividade e empatia. Habilidades avançadas em TI e programação juntamente com habilidades complexas de processamento de informações também terão um aumento na demanda.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top