You are here
Home > Economia > Brasil terá que capacitar 10,5 milhões de trabalhadores para a indústria até 2023

Brasil terá que capacitar 10,5 milhões de trabalhadores para a indústria até 2023

Levantamento do Senai, divulgado nesta segunda-feira (12), projeta que o país terá de qualificar 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais de níveis superior, técnico, qualificação profissional e aperfeiçoamento até 2023. As vagas na indústria e também em outros setores vão demandar formação de profissionais nas áreas transversais (1,7 milhão), metalmecânica (1,6 milhão), construção (1,3 milhão), logística e transporte (1,2 milhão), alimentos (754 mil), informática (528 mil), eletroeletrônica (405 mil) e energia e telecomunicações (359 mil). Os profissionais com qualificação transversal são aqueles que trabalham em qualquer segmento, como profissionais de pesquisa e desenvolvimento, técnicos de controle da produção e desenhistas industriais. Os dados são da pesquisa Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023.

Essa demanda por qualificação prevista pela instituição inclui, em sua maioria, o aperfeiçoamento de trabalhadores que já estão empregados. Caso da Rosiane Lucindro, de 24 anos, moradora de Belo Horizonte.

Apesar de trabalhar em uma empresa de engenharia, a jovem buscou se capacitar e fez o curso de técnico em edificações no Senai. O objetivo de Rosiane ao se qualificar era se manter empregada e conseguir superar a concorrência de trabalhadores homens, maioria no setor em que atua.

“Fiz o curso procurando melhorar profissionalmente, ganhar uma promoção. Nós mulheres, hoje em dia, estamos atrás de igualdade. Então, da mesma forma que homens são capazes de trabalhar em uma área da construção civil, a mulher igualmente consegue. Vejo em obras, no meu trabalho, que tem espaço”, afirmou.

Outro dado da pesquisa que chama a atenção é que os profissionais com formação técnica terão mais oportunidades em logística e transporte, área que exigirá a capacitação de 495.161 trabalhadores nos próximos cinco anos. Os interessados podem se inscrever, por exemplo, em cursos como gestão estratégica e planejamento em logística e condução de veículos de transporte coletivo de passageiros, ambos oferecidos pelo Senai.

Tecnologia

Ainda segundo o Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023, as profissões ligadas à tecnologia estão entre as que mais vão crescer nos próximos anos. Para o diretor de Operações do Senai, Gustavo Leal, isso mostra a necessidade da ampliação de investimentos na área educacional.

“O mundo vive uma revolução da educação, no caso da indústria, estamos vivendo a Indústria 4.0, toda uma verdadeira revolução no perfil das pessoas para os próximos empregos que serão gerados dentro desse novo paradigma. Instituições como Senai têm profundo impacto nesse processo”, analisa.

Para acompanhar essa demanda, a instituição lançou recentemente 11 cursos de aperfeiçoamento em tecnologias da Indústria 4.0, como ciber segurança e internet das coisas (Iot), além de oportunidades de qualificação em inteligência artificial e computação em nuvem.

O Senai é a maior rede de apoio à capacitação tecnológica e à inovação do setor industrial. A entidade possui 541 unidades fixas e 452 móveis e está presente em 2.700 municípios do país.

Além de oferecer oportunidades de qualificação através de cursos em todos os níveis da educação profissional e tecnológica, a entidade administra também uma rede de 26 Institutos de Inovação e de 58 Institutos de Tecnologia espalhados por todas as regiões brasileiras.

Em 2018, o Senai recebeu 2,3 milhões de matrículas de educação profissional e atendeu 19.749 indústrias com serviços técnicos e tecnológicos.

Paulo Henrique – Agência RadioMais

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top