You are here
Home > Artigos > Fragilidade da indústria: culpa de Brumadinho?

Fragilidade da indústria: culpa de Brumadinho?

Uma onda de otimismo invadiu o ambiente formado por Palácio do Planalto, alguns formadores de opinião e determinados espaços dos mercados, com a inequívoca sinalização de reversão da curva de subida da desconfiança dos atores sociais.

A conformação do alento ocorreu a partir da aprovação da reforma da previdência, pela Câmara dos Deputados, e da inclinação heterodoxa do executivo, marcada pelo regresso da estratégia de corte dos juros, pelo Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, e implantação de um pacote de bondades oficial, sustentado na autorização de saques de parte dos saldos das contas ativas e inativas do FGTS e do PIS/PASEP.

Também colaborou para a instauração do clima de renovação de ânimo a negação de iminência de recessão técnica, traduzida pela evolução de 1,0% do produto interno bruto (PIB), entre abril e junho de 2019, em cotejo com análogo lapso de tempo de 2018, conforme cálculos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em contraposição à atmosfera virtuosa, os primeiros indicadores correntes relativos ao terceiro trimestre de 2019, ao reiterarem a situação apática da economia brasileira, despejaram não poucos “baldes de água fria” na direção das manifestações e mensagens triunfalistas que, inclusive, haviam escancarado posturas de desprezo às evidências de fraqueza da demanda doméstica e tensões e adversidades globais, especialmente o colapso da Argentina, 3º maior parceiro comercial do país.

No detalhe, a produção industrial nacional registrou a terceira queda seguida, em julho de 2019, recuando -0,3% em relação a junho, o que correspondeu ao pior desempenho para o mês em quatro anos, de acordo com a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), realizada pelo IBGE. O declínio foi de -2,5%, no confronto com o mesmo mês de 2018, e -1,7% entre janeiro e julho, em cotejo com igual período do ano anterior.

Nessa última base de comparação, o retrocesso foi concentrado em bens intermediários (-3,0%), dado que foi observado incremento nas outras três categorias de uso, precisamente bens de consumo duráveis (1,7%) bens de capital (1,5%) e bens de consumo semiduráveis e não duráveis (0,4%).

Partindo do pressuposto de influência da combinação virtuosa entre discreta recuperação da confiança, moderada diminuição dos juros e igualmente modesta retração dos patamares de desemprego, esta explicada em grande medida pelo avanço das atividades informais, na performance daquelas três classes fabris, a culpa pelo desempenho negativo recairia quase que exclusivamente sobre o grupo de intermediários.

E mais, no interior deste, a responsabilidade pelos resultados ruins poderia ser imputada às atividades extrativas, mais especificamente mineração de ferro, em razão dos impactos do rompimento de uma barragem de rejeitos de mineração na região de Brumadinho, em Minas Gerais, em janeiro deste ano, que afetou os negócios da companhia Vale e demais mineradoras, especialmente a partir da intensificação da fiscalização do funcionamento deste tipo de empreendimento por parte de entidades públicas e privadas ligadas ao desenvolvimento sustentável.

Tal argumentação encontraria respaldo na elevada participação relativa da seção de extração mineral no conjunto do setor secundário, chegando a 21,0% quando computadas as divisões extrativa, transformação, serviços de utilidade pública e construção, ou 14,0% quando restrita ao subgrupo constituído por extração e transformação.

No entanto, mesmo com apreciáveis variações experimentadas por produtos de metal (5,7%), bebidas (3,9%), veículos automotores, reboques e carrocerias (3,5%), produtos de minerais não metálicos (2,5%) e máquinas e equipamentos (1,4%), a investigação do IBGE identificou diminuição de produção em 14 dos 26 ramos, 43 dos 79 grupos e 53,3% dos 805 produtos acompanhados.

Os comportamentos mais desfavoráveis foram apresentados por segmentos atrelados a cadeias produtivas com dinâmicas divorciadas do complexo mineral, em especial outros equipamentos de transporte (-11,4%), manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-9,8%), produtos de madeira (-5,5%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-4,7%), celulose, papel e produtos de papel (-2,5%), produtos de borracha e de material plástico (-1,9%), e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,4%).

Em idêntico sentido, o levantamento “Indicadores Industriais”, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), apurou redução em todas as variáveis investigadas, entre janeiro e julho de 2019, com ênfase para massa de salários reais (-1,9%), rendimento médio real (-1,7%) e faturamento real (-0,9%).

De seu turno, o motor do comércio externo brasileiro também vem acusando falhas. As exportações caíram -5,2%, entre janeiro e agosto de 2019, puxadas por manufaturados (-9,5%), com preponderância de plataformas para extração de petróleo (-68,2%), veículos de carga (-41,5%), automóveis de passageiros (-34,2%), laminados planos de ferro/aço (-20,5%), aviões (-17,0%), autopeças (-15,9%), e suco de laranja não congelado (-7,2%). As vendas para a Argentina diminuíram -39,7%.

Pelo ângulo das importações, verificou-se recuo de -2,8%, no mesmo intervalo, notadamente em bens de capital (-16,5%), bens de consumo (-5,5%), combustíveis e lubrificantes (-3,7%), devido, fundamentalmente, à situação de estagnação do mercado doméstico.

Portanto, é fácil notar que a apatia da indústria operante no país não está limitada ao episódio de Brumadinho. O retrato adverso é bastante amplo e pode ser explicado por múltiplos fatores derivados da ausência de um programa de desenvolvimento capaz de definir não apenas prioridades e instrumentos de política industrial, mas ganhadores e perdedores diretos de um novo ciclo expansivo.

O artigo foi escrito por Gilmar Mendes Lourenço, que é economista, consultor, professor da FAE Business School e ex-presidente do Ipardes.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top