You are here
Home > Negócios > Como a Inteligência Artificial das Coisas pode revolucionar o seu modelo de negócio

Como a Inteligência Artificial das Coisas pode revolucionar o seu modelo de negócio

Certamente você já ouviu falar sobre Inteligência Artificial, Internet das Coisas, Machine Learning, Analytics, Realidade Virtual, entre tantas outras tecnologias que têm surgido a uma velocidade exponencial e, ao mesmo tempo, causado impactos profundos no modo como trabalhamos, nos relacionamos e vivemos. Em meio a tantas novidades, a junção de duas tecnologias tem começado a ganhar protagonismo e a impactar profundamente diversas indústrias. Você conhece ou já ouviu falar sobre a Inteligência Artificial das Coisas (AIoT, na sigla em inglês)?

A Inteligência Artificial das Coisas, como o próprio nome diz, aporta inteligência ao negócio. Por meio dela, é possível fazer análises de dados em tempo real, disponibilizar informações acuradas em diversas plataformas — nuvem, rede, dispositivos móveis, etc –, combinar tecnologias e unificar o processo de Analytics a fim de analisar os resultados para melhorar o sistema continuamente.

Alexandre Sapia.

Quando aplicada à Internet das Coisas, a Inteligência Artificial possibilita que as companhias tenham uma gestão de dados mais eficaz, além de otimizar e imprimir um ritmo mais rápido para o desenvolvimento de produtos ou na resposta a eventos em tempo real, por exemplo. Tratam-se de tecnologias complementares e intrinsicamente ligadas, uma vez que a IA é a responsável por captar e identificar dados que, se bem analisados e interpretados, podem trazer insights importantes para o aperfeiçoamento de serviços e produtos.

No caso de um e-commerce, pode gerar um engajamento e uma fidelização maior do público-alvo, já que a experiência do consumidor tende a ser muito mais personalizada e, portanto, assertiva em qualquer canal de interação. Outros casos envolvem até mesmo a identificação de riscos de acidentes e falhas. Na Lockeed Martin, uma das maiores fabricantes de produtos aeroespaciais, a AIoT é usada para captar mais de 72 mil linhas de dados por hora a partir de 600 sensores em aeronaves C130J. O objetivo é identificar e prever falhas críticas em componentes e equipamentos, diminuindo o tempo de parada para manutenção, além de aumentar a segurança das aeronaves.

Do mesmo modo, o setor de Utilities e Manufatura tem sido capaz de detectar e prever equipamentos que necessitam de manutenção antes que falhas severas ocorram, resultando em uma economia de recursos e mitigação dos riscos que poderiam comprometer a reputação e credibilidade da empresa no mercado e com seus stakeholders.

Nos últimos anos, acompanhamos uma evolução cada vez mais veloz da tecnologia e a tendência é que o ritmo permaneça assim. De acordo com uma projeção da Business Insider Intelligence, em 2025 teremos mais de 55 bilhões de dispositivos de IoT. Em 2017, esse número era de apenas 9 bilhões. Com esse contexto, é nítido o enorme potencial que a integração entre IA e IoT tem para propiciar resultados robustos para as companhias que conseguirem implementá-las rapidamente.

Já há diversas cidades inteligentes rodando com soluções de AIoT, as chamadas smart cities, que conseguem monitorar a eficiência energética, a poluição do ar, o uso de água, as condições de trânsito, entre outros fatores, por meio da implementação de sensores em suas estruturas físicas, como postes, sinais de trânsito, etc. O resultado são cidades que conseguem gerenciar seus recursos de forma mais eficiente, em termos financeiros, e também que proporcionando uma melhor qualidade de vida aos seus habitantes. A cidade de Cary (EUA), por exemplo, é capaz até mesmo de detectar mangueiras que foram esquecidas abertas e vazamentos para evitar desperdício de água.

Um estudo do Gartner apontou ainda que, até 2022, mais de 80% dos projetos que envolvem IoT terão um componente de Inteligência Artificial – hoje o número corresponde a menos de 10%. Com um horizonte desses à frente, a Inteligência Artificial das Coisas torna-se uma ferramenta extremamente valiosa para prever, identificar e antecipar tendências, necessidades, possibilidades de melhorias e, assim, fazer com que sua companhia se destaque em meio a um mercado cada vez mais concorrido. Sua empresa está preparada?

O artigo foi escrito por Alexandre Sapia, diretor Executivo de Soluções e Serviços para a América Latina.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top