You are here
Home > Negócios > Só a diferenciação pode ajudar pequenos negócios a sobreviverem

Só a diferenciação pode ajudar pequenos negócios a sobreviverem

Fazer uma pequena empresa crescer e ter relevância no mercado, num primeiro momento parece uma tarefa impossível diante da grande concorrência imposta por vários negócios semelhantes. E são as pequenas empresas, que brigam diariamente com a concorrência para se diferenciar e aumentar seu volume de vendas.

Acontece que essa briga constante acaba sendo nivelada por um único fator, que é o preço. Nessa lógica de mercado, quem vende mais barato vende mais. Só que isso pode custar muito caro para os pequenos empreendimentos. Então, de que forma as pequenas empresas podem se sobressair nesse cenário?

É claro que estamos passamos por um momento difícil, com os estabelecimentos de portas fechadas, sem faturamento, diante da pandemia do novo coronavírus. Mas tudo isso vai passar e está mais do que na hora dos pequenos empreendedores pensarem em adotar estratégias de posicionamento de marca para que seus negócios façam a diferença quando a economia retomar o seu caminho.

O especialista em Marketing de Diferenciação, Pedro Superti (foto), chama a atenção para que o fato de que o que mais existe hoje no mercado são opções e isso vale para qualquer segmento, seja no vestuário, calçados, alimentação, eletrônicos ou serviços. Qualquer produto que se queira comprar é possível encontrar uma grande quantidade de empresas desesperadas para vender. E é justamente por esse motivo que os pequenos negócios não conseguem sair dessa competição desenfreada, pois quando a única diferença é o preço, pouco importa para o consumidor de qual marca ele está comprando.

Criar experiência de  compra

A solução para o problema está justamente na diferenciação. Ou seja, ao invés de vender apenas um produto ou serviço, é preciso criar uma experiência que vai muito além da compra. Engana-se o empresário que pensa que o marketing de diferenciação está voltado apenas para grandes empresas. Essas estratégias podem e devem ser usadas por qualquer tipo de negócio.

De acordo com Pedro Superti, a principal estratégia do marketing de diferenciação é “emprestar” a própria personalidade para o negócio e fazer com que a empresa tenha um propósito, que não seja apenas o lucro. Assim, quando o empreendedor coloca sua essência e sua visão, automaticamente se diferencia dos concorrentes, pois insere no mercado algo impossível de ser copiado. É algo muito maior do que trocar produtos ou serviços por dinheiro.

Segundo o especialista, existem quatro principais áreas onde a experiência ou a memória em relação a marca podem ser geradas: através da emoção, sensações físicas, mentais e espirituais.

Atingir o lado mental do cliente

Como o próprio nome já diz, a experiência ou memória emocional é aquela que mexe com a emoção dos clientes, enquanto a física age nos sentidos. Atingir o lado mental do cliente é proporcionar uma experiência mais pessoal que acontece apenas em sua mente, e a experiência espiritual acontece ao interagir e comprar determinado produto ou serviço que a marca oferece – algo parecido com comprar uma bolsa de luxo, por exemplo, poucas pessoas têm esse privilégio e isso, por si só, já é uma experiência espiritual.

“Quando uma marca consegue proporcionar qualquer um desses quatro níveis (ou os quatro juntos, de preferência), ela se torna incomparável com qualquer outro concorrente”, garante Superti.

Portanto, o marketing de diferenciação é a chance para que pequenas empresas consigam se livrar da guerra de preços com a concorrência e, com isso, se posicionar como líderes em seus mercados de atuação. Com o posicionamento correto, não é mais necessário se preocupar com a lealdade dos clientes, pois isso já foi conquistado. “Nesse estágio, é impossível trocar sua marca por outra que cobra menos: a experiência é única e, por causa dela, os clientes entendem seu preço e sabem que não existe nada comparado com o que você oferece”, finaliza Superti.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top