You are here
Home > Comércio Exterior > Saldo da balança comercial do Paraná aumenta 52% no primeiro semestre do ano

Saldo da balança comercial do Paraná aumenta 52% no primeiro semestre do ano

O Paraná exportou US$ 1,355 bilhão em junho. Desde janeiro, o valor chega a US$ 8 bilhões. Já as importações somaram US$ 709,1 milhões no mês, sendo que até junho acumulam US$ 5,101 bilhões. Com isso, o saldo da balança comercial do estado em junho ficou em US$ 645,9 milhões. E, de janeiro a junho, US$ 2,899 bilhões. O crescimento do saldo acumulado frente ao mesmo intervalo de 2019 é de 52,2%. E de junho em relação a maio, de 8,6%. As informações são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia.

O resultado é uma boa notícia em tempos de pandemia, mas o crescimento acentuado no valor do saldo da balança comercial (exportações menos as importações) em relação ao mesmo período do ano anterior se deve muito mais à queda expressiva nas importações do que a um aumento efetivo de vendas do estado no mercado externo, informa o economista da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Evânio Felippe.

Importações em queda

“Com o desaquecimento da economia em razão da crise do novo coronavírus, a indústria deixou de importar produtos, principalmente bens de capital (itens utilizados na produção de bens de consumo como máquinas, equipamentos e insumos), que é principal item da pauta de importações do estado. Sem expectativa de uma retomada mais rápida do consumo, o empresário segurou a compra de insumos para equilibrar seu fluxo de caixa até que o ritmo das atividades retorne à normalidade”, analisa. “Com isso, houve redução nas importações, o que impacta no saldo da balança no estado”, completa.

Comparando o resultado com o mês anterior, as exportações ficaram praticamente estáveis, crescimento de 1,3% ou US$ 17 milhões a mais em vendas. Já com relação ao mesmo mês de 2019, houve queda de 28% ou US$ 276 milhões a menos em valores negociados. E analisando o resultado acumulado de janeiro a junho de 2020 frente ao mesmo período do ano passado houve estabilidade. Pequena alta de 0,1% ou US$ 10 milhões a mais.

Reinvenção

De acordo com Reinaldo Tockus, gerente executivo de Relações Institucionais e Assuntos Internacionais da Fiep, os números, mesmo que modestos, demonstram o esforço dos empresários para se manterem nesse período. “A indústria paranaense tem buscado se reinventar para focar no fornecimento ao mercado interno e isso impacta também nas importações”, avalia.

Tockus explica que muitos setores também estão procurando fornecedores internos devido à dificuldade logística para que o insumo chegue à produção. “São diversas saídas que refletem nas relações comerciais com outros países”, afirma.

O economista da Fiep concorda: “Considerando o ano atípico e o cenário de pandemia, com muitas dificuldades de vendas em todo o mundo, o crescimento em junho, mesmo que pequeno, é positivo”, avalia Felippe.

Produtos mais vendidos

Os produtos mais vendidos pelo Paraná em junho foram soja (US$ 421 milhões); carnes e miudezas (US$ 210 milhões); rações para animais (US$ 111 milhões) e madeira (US$ 77,2 milhões). De janeiro a junho foram exportados principalmente soja (US$ 2,5 bilhões); carnes (US$ 1,4 bilhões); ração para animais (US$ 575 milhões), madeira (US$ 487 milhões; e produtos para o setor automotivo (US$ 429 milhões).

Já em relação às importações, foram comprados em junho principalmente fertilizantes (US$ 121 milhões); seguidos por produtos mecânicos (US$ 73 milhões); produtos químicos (US$ 70 milhões); e produtos químicos orgânicos (US$ 68 milhões). Este ano, lideram as importações no Paraná a aquisição de combustíveis e óleos minerais (US$ 700 milhões); adubos e fertilizantes (US$ 581 milhões); produtos mecânicos (US$ 546 milhões); e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (US$ 467 milhões).

“Os dados referentes a junho e no acumulado deste ano são um retrato da apatia na atividade de comércio exterior no Paraná, decorrente da pandemia que afetou não só o Brasil, mas o mundo todo. E isso deve permanecer até que seja retomada a normalidade no consumo e nas vendas nos principais países de destino dos produtos paranaenses no mercado internacional”, finaliza Evânio Felippe.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top