You are here
Home > Comércio Exterior > China se mantém como principal contribuinte para superávit brasileiro

China se mantém como principal contribuinte para superávit brasileiro

A China foi a principal fonte de contribuição para o superávit da balança comercial do Brasil, com importações de US$ 4,5 bilhões em julho e de US$ 21,9 bilhões no acumulado do ano até julho. 

Nos primeiros sete meses do ano, houve também saldo positivo com a América do Sul, de US$ 3,2 bilhões, enquanto que com a União Europeia ficou em US$ 1,6 bilhão. 

Embora tenha apresentado superávit na balança comercial com os Estados Unidos no mês de julho, não foi suficiente para reverter o déficit de US$ 3,1 bilhões acumulado no ano até julho. 

Os dados estão no Boletim de Comércio Exterior (Icomex) divulgado hoje (14) pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Segundo o Ibre, a participação da China nas exportações e nas importações brasileiras superou a dos principais parceiros no acumulado do ano até julho. Nas exportações, a participação da China alcançou 34,1%. A União Europeia, que ficou em segundo lugar, atingiu 13,4%.

De acordo com o Icomex, na análise da participação do comércio por grandes regiões, a Ásia responde por quase 50% das exportações brasileiras, a Europa por 18,7%, a América do Norte, 12,6%, e América Latina, 11,2%. 

“Esse resultado para a Ásia e a China não é uma questão conjuntural. A ascensão da participação da China iniciada em meados da primeira década dos anos 2000 tem sido contínua e acompanhada de um aumento das commodities na pauta exportadora”, diz o Boletim.

Balança Comercial

O saldo da balança comercial de julho ficou em US$ 8,1 bilhões, que é o maior na série histórica do mês de julho. Com o resultado, o superávit acumulado nos sete primeiros meses do ano atingiu US$ 30 bilhões. 

De acordo com o Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), a queda acentuada nas importações, de 35,2% de julho de 2019 a julho de 2020, contribuiu para o desempenho e não por uma melhora nas exportações, que caíram 2,9%.

Preços

Os índices de preços e volume se mantiveram no comportamento observado no mês de junho. O volume exportado aumentou 14,2% na comparação a julho de 2020 com 2019, mas a queda nos preços de 15% provocou recuo no valor exportado. 

Nas importações, os dois índices recuaram e a redução do volume atingiu 29,7%. 

O Icomex mostrou que o efeito das plataformas de petróleo só causou impacto nas importações totais e a diferença ficou abaixo de 2 pontos percentuais. No entanto, o acumulado do ano até julho indicou que o resultado com ou sem as plataformas não pode ser desconsiderado, em especial nas importações. A redução no volume importado subiu de 4,3% para 7,5%.

Commodities

O desempenho favorável das exportações ainda é um reflexo do aumento no volume das exportações de commodities. Em julho, o volume do conjunto das principais commodities exportadas pelo Brasil cresceu 33,1% em relação a julho de 2019, ao contrário das não commodities com queda de 11,3%. A diferença também é expressiva na comparação do acumulado do ano, aumento de 15,2% das commodities e recuo de 18,2% das não commodities.

O Ibre destacou que como foi enfatizado nos últimos boletins do Icomex, a importância da China na pauta brasileira tem sido crescente e impulsionada pelo aumento do volume exportado de commodities. Após o crescimento de 51,4% entre junho de 2019 e 2020, o volume exportado registrou uma variação de 55% na comparação interanual de julho. 

A China é o principal mercado para sete dos dez principais produtos exportados pelo Brasil no mês de julho. Os principais continuam sendo a soja em grão, minério de ferro e petróleo, com 79% das exportações brasileiras para esse mercado. Outros produtos também têm registrado alta nas exportações como as carnes bovina, com aumento de 160%, e a suína, aumento de 158%.

Indústria extrativa

De julho de 2019 a julho de 2020, a indústria extrativa registrou alta nas exportações de 37,7%, o seu melhor resultado no ano, puxado pelo aumento no volume exportado de petróleo. O volume exportado da indústria de transformação foi 2,5% maior, após meses seguidos de contração.

O Icomex apontou ainda que os volumes exportados da indústria de transformação diminuíram tanto na comparação mensal, como no acumulado do ano até julho, exceto os bens não duráveis, onde estão presentes as commodities dessa indústria. O volume exportado de bens não duráveis subiu 26,1% na comparação mensal e 18,9%, no acumulado no ano.

Agência Brasil

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top