You are here
Home > Comércio Exterior > Porto de Antonina realiza operações inéditas de malte e alimentos

Porto de Antonina realiza operações inéditas de malte e alimentos

Duas operações inéditas estão sendo realizadas pelo Porto de Antonina nesta semana, reforçando a vocação do terminal para cargas complexas, que exigem cuidados especiais. Nesta quinta-feira (8) está em andamento o embarque de gêneros alimentícios que serão exportados para a Venezuela. Na segunda-feira (5), foi concluído o desembarque da primeira carga de malte importado para a indústria cervejeira nacional. 

“O ano de 2021 está sendo bastante promissor para o Porto de Antonina quanto à diversificação de cargas”, comenta o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. Ele explica que com os últimos investimentos feitos pela empresa pública, principalmente com as obras de dragagem, a empresa operadora que atua no Porto de Antonina, a Terminais Portuários da Ponta do Félix (TPPF), teve segurança para investir na própria estrutura e na prospecção comercial.

Ainda segundo Garcia, as duas novas operações – de importação e exportação – confirmam o caráter multipropósito do Porto de Antonina.

Exportação

Os porões do navio MV Parkgracht estão sendo preenchidos com a carga de big bags, que são contentores maleáveis usados para o transporte de volumes pequenos e médios de produtos em pó, granulados ou até líquidos. Nesses sacos, estão sendo exportados farinha de milho, arroz, açúcar, farinha de trigo, fubá, creme vegetal, macarrão e semente de milho.

São mais de 10 mil toneladas de alimentos produzidos nas indústrias do Paraná, São Paulo e Goiás, que têm como destino o Porto de La Guaira, na Venezuela. “Trata-se da recepção de carga solta, em fardos que variam entre 10 a 30 quilos, embalados em pequenas sacarias dos diversos produtos. Estes fardos são unitizados em big bags, armazenados dentro do recinto do TPPF e posteriormente elevados ao navio”, explica Waltersohn Gunther Schmeil, coordenador de Operações do TPPF.

De acordo com ele, a empresa possui disponibilidade para 100% da armazenagem em recinto alfandegado. “Isso proporciona ao usuário a possibilidade de contar com um pacote de serviços, reduzindo significativamente o número de atores no processo logístico, além de elevar, de forma expressiva, a produtividade de embarque”, informa o coordenador de Operações.

Outro embarque do mesmo tipo de produtos alimentícios já está anunciado para este mês de abril. A expectativa é que novos lotes também sejam embarcados pelo Porto de Antonina nos próximos meses. Além desses produtos, outra novidade para exportação, também em abril, será o primeiro embarque de pellets de cana pelo terminal.

Importação

Na última segunda-feira, o TPPF concluiu o desembarque da primeira carga de malte. Foram cerca de 15,5 mil toneladas importadas da Austrália, que chegaram nos porões do MV Callio.

Segundo Waltersohn Gunther Schmeil, a operação se assemelhou à movimentação de farelo de soja NGMO, acerca dos cuidados no manuseio deste produto alimentício. “Trata-se de um desafio, mas não iniciamos do zero. Partimos de uma experiência adquirida na movimentação de produtos segregados”, explica.

O terminal investiu na construção de seis silos verticais em concreto, localizados dentro do recinto alfandegado. Três já estão em fase de finalização e outros três começam a ser erguidos. Esta condição, explica Schmeil, proporciona ao usuário manter a carga em regime de entreposto aduaneiro e limitar seus estoques na linha produtiva à efetiva demanda, gerando com isso ganhos significativos em logística e tributário/fluxo de caixa.

A operação dá início a um contrato que prevê, em média, seis ou sete navios ao ano, para o desembarque do malte. “Com estas operações, o TPPF denota sua vocação de porto complementar à Paranaguá. Atuamos com cargas complexas, que exigem cuidados especiais para atender as demandas mais específicas dos clientes”, informa o coordenador de Operações.

O foco é atuar na solução logística caso a caso, desenvolvendo uma cadeia específica. Desde o rigor no processo de triagem de caminhões, sanitização dos armazéns e promoção do incremento de produtividade na operação portuária.

Crédito da foto – Claudio Neves
Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top