You are here
Home > Economia > Apesar da pandemia, movimento de fusões e aquisições em consumo registra aumento

Apesar da pandemia, movimento de fusões e aquisições em consumo registra aumento

Um estudo realizado pela KPMG, que analisou a tendência em fusões e aquisições realizadas pelo setor de consumo e varejo no Brasil durante o ano passado, apontou que nesse período foram realizadas 104 transações, 30% maior em relação ao ano anterior. Além disso, foram movimentados US$ 3 bilhões, o que representa uma queda de cerca de 40% em relação ao ano anterior.

O levantamento mostrou ainda que essas operações sofreram uma desaceleração devido à pandemia da covid-19, de abril a agosto do ano passado, quando atingiram os níveis mais baixos, mas que foram retomadas a partir de setembro pela influência da consolidação da indústria.

Além disso, a pesquisa indicou que o mercado de capitais registrou um aumento em IPOs (sigla em inglês, para oferta pública inicial) com varejistas aproveitando a janela de mercado para fazer uma forte capitalização, reforçando posições de liquidez e se preparando para financiar o seu crescimento. A maioria dessas operações (13) foi realizada pelas empresas somente no segundo trimestre.

“O ano passado registrou várias tendências no setor de varejo como a aceleração da migração da compra tradicional para o formato online que registrou aumento considerável, com os varejistas observando um crescimento equivalente aos últimos cinco anos em apenas três meses. Hoje, os empresários que estão liderando o setor estão bem posicionados com diversificação de canais e produtos, seguindo com pesados investimentos em transformação digital e com uma estrutura de capital bastante robusta que permite fôlego para aguentar bem a cauda longa da pandemia com uma posição de liquidez forte”, analisa o sócio líder de consultoria em negócios para o setor de consumo e varejo da KPMG no Brasil, Alan Riddell.

Perspectiva para este ano

O estudo trouxe ainda tendências de fusões e aquisições para este ano. O levantamento indicou que os fundos de private equity continuarão realizando desinvestimentos por meio dos mercados de capitais, trazendo exemplos como as operações realizadas pela Warburg Pincus, que liquidou dois ativos, e Participações e a Advent que vendeu a lojas Quero-Quero.

“Pela rápida resposta e recuperação do mercado após o anúncio recente da vacina da covid-19, é esperado um volume estável de transações no setor este ano após a desaceleração liderada pela pandemia. Diante desse novo cenário, os varejistas devem buscar implementar um modelo de negócio mais leve em termos de ativos e mais focado em eficácia e digitalização para melhorar a liquidez e ampliar o comércio digital e a logística”, finaliza.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top