Euro ultrapassa dólar americano e se torna a moeda mais transacionada no país em maio

Euro ultrapassa dólar americano e se torna a moeda mais transacionada no país em maio

Às vésperas das Olimpíadas de Paris, a moeda oficial da União Europeia tem seu terceiro crescimento mensal consecutivo no ano

 Às vésperas das Olimpíadas de Paris 2024, o euro tornou-se a moeda mais transacionada no Brasil. Em maio, a moeda corrente da União Europeia superou o dólar americano nas transações e apresentou um crescimento de 3% em relação ao mês anterior.

Segundo levantamento mensal realizado pela Travelex Confidence, maior especialista em câmbio do mundo, desde 2018, a moeda europeia frequentemente supera o dólar (USD) nos meses de maio, exceto durante o período pandêmico, entre 2020 e 2021. Para Jorge Arbex, diretor do Grupo Travelex Confidence, a preferência pelo euro é um reflexo claro do aumento do turismo para a Europa, neste ano impulsionado pelas Olimpíadas de Paris.

“A alta procura pelo euro não está relacionada apenas às Olimpíadas de Paris, mas também ao período de férias em julho, que tradicionalmente eleva a demanda por viagens à Europa. No entanto, é inegável que os Jogos Olímpicos intensificaram esse movimento, aumentando ainda mais a procura pela moeda europeia”, explica Arbex.

Enquanto isso, o dólar norte-americano apresentou uma queda de 6% em comparação com o mês anterior, o que pode estar relacionado aos recentes aumentos da moeda em relação ao real. Em abril, o dólar havia registrado um aumento de 15% nas movimentações, ante a março. No entanto, ao analisar a média dos anos de 2023 e 2022, a moeda já vinha apresentando uma tendência de queda. Em maio, essa tendência se acentuou, com uma redução de 29% e de 30% em relação às médias de 2023 e de 2022, respectivamente.

“A indefinição do FED quanto ao corte na taxa de juros americana, somado às pautas tributárias do governo brasileiro, geram um cenário mais instável para a moeda americana. No cenário macroeconômico, o Banco Central projeta o fechamento do dólar em R$ 5,05 até o final do ano, ajustando sua previsão anterior. Essas oscilações reforçam a necessidade de planejamento cuidadoso para quem pretende viajar ou realizar transações internacionais nos próximos meses”, analisa o diretor.

Além do euro e do dólar americano, o ranking das moedas mais transacionadas no Brasil inclui a libra esterlina (GBP), o dólar canadense (CAD) e o iene (JPY). A moeda britânica ficou em terceiro lugar, com um aumento de 13% no volume de transações em relação a abril. Mantendo-se na quarta colocação, o dólar canadense teve uma alta de 17% no volume operado em relação ao mês passado.

Completando o ranking, em quinto lugar temos o iene japonês (JPY). Embora tenha registrado uma diminuição nas transações por dois meses consecutivos, continua em níveis elevados. Comparado à média mensal de 2022, o volume operado da moeda apresentou um aumento significativo de 106%, o que demonstra uma demanda constante por viagens ao Japão, impulsionada por fatores como o turismo cultural, negócios e eventos internacionais. Além disso, a estabilidade econômica do país e suas políticas monetárias contribuem para manter a moeda atrativa, mesmo diante de variações temporárias.

Confira o TOP 5 de venda de moedas de maio comparado ao mês de abril de 2024, em relação a maio de 2023 e o comparativo em relação à média de 2022 (marco pós-pandemia):

MOEDA Variação do volume (R$) mai/24 em relação a abr/24 Variação do volume operado (R$) do mês analisado em relação ao mesmo mês no ano anterior Variação de volume operado (R$) do mês analisado em relação Média de volume operado por mês no ano de 2022
Euro (EUR) 3% -22% -33%
Dólar (USD) -6% -20% -30%
Libra Esterlina (GBP) 13% -32% -50%
Dólar Canadense (CAD) 17% -33% -54%
Iene (JPY) -25% 5% 106%

Crédito da foto: Shutterstock

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *