Ambev encerra 2015 com crescimento de 8,0% de receita e de 10,8% de EBITDA no Brasil

Mesmo diante de um cenário macroeconômico mais desafiador no Brasil, a Ambev encerrou 2015 com um resultado sólido, devido ao foco em inovações e plataformas comerciais e também beneficiada por suas operações internacionais. A receita líquida da companhia no País foi 8% maior do que a registrada no ano anterior, somando R$ 26,3 bilhões. Já o EBITDA (lucro antes dos juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado das operações teve alta de R$ 10,8%, para R$ 14,1 bilhões. No resultado consolidado, a receita da Ambev apresentou crescimento de 12%, para R$ 46,7 bilhões, enquanto o EBITDA somou R$ 22,2 bilhões, um avanço de 12,4%.

Influenciado pelo clima menos favorável no fim do ano, com chuvas mais frequentes, e também pela redução da renda disponível do consumidor em função do ambiente macroeconômico, o volume de cerveja comercializado pela Ambev no Brasil registrou queda de 2,5% no quarto trimestre. No ano, o recuo foi de 1,8%, devido também a uma base de comparação mais difícil em função da realização da Copa do Mundo em 2014. Apesar de um volume menor, o foco da companhia em suas estratégias comerciais se mostrou acertado e permitiu à Ambev o bom desempenho em 2015.

A aposta nas marcas premium é um exemplo disso. O segmento, liderado por Budweiser, Original, Stella Artois e Corona, teve crescimento de dois dígitos ao longo do ano e atualmente representa 10% do volume total de cerveja comercializado pela Ambev.

O fortalecimento das principais marcas da companhia também foi importante para mais esse ano positivo. Após entregar diversas experiências inovadoras para seus consumidores, como Skol Summer On, Tomorrowland, Lollapalooza e a promoção Viva Las Vegas, a Skol foi eleita a marca mais valiosa da América Latina, pelo ranking BrandZ da Millward Brown.

Como parte de sua estratégia, a Ambev busca ainda investir continuamente em inovações para atender os mais diferentes perfis de consumidores e ocasiões de consumo. Só em 2015, a companhia lançou a Skol Ultra, cerveja com menos calorias e carboidratos (99 Kcal em 310 ml) e três novas linhas da Brahma Extra – Lager, Red Lager e Weiss.

Também em 2015, a Ambev trouxe ao mercado a Skol Beats Spirit, novo sabor no segmento “near beer”, como são chamadas as bebidas produzidas à base de malte. Prova do sucesso dos investimentos em inovações, em pouco mais de um ano após o lançamento da Skol Beats Senses, esse novo segmento já representa 1% do volume total de cerveja vendido pela companhia.

A Ambev ainda relançou em 2015 a marca Adriática, cerveja centenária que volta a ser fabricada na nova cervejaria da Ambev em Ponta Grossa (PR). Somada ao trabalho da companhia em inovações, a construção da fábrica no Paraná e também da nova planta em Uberlândia (MG) levou a Ambev a atingir novamente um nível recorde de investimentos no ano passado. Apenas no Brasil, foram investidos R$ 3,1 bilhões. Considerando a operação global da companhia, os investimentos chegaram a R$ 5,2 bilhões.

No segmento de refrigeNANC (refrigerantes, bebidas não-alcóolicas e não-carbonatadas), destaque para o recente lançamento do Guaraná Antarctica na Argentina. A marca, uma das mais queridas pelos brasileiros, também ajudou a Ambev a compensar a retração do setor no Brasil e encerrar o ano com um recorde de participação no mercado de refrigerantes. Além disso, em 2015 o energético Fusion consolidou-se como a terceira marca mais consumida da bebida no País.

“O foco em nossas plataformas comerciais e os investimentos em inovações foram cruciais para alcançar o resultado sólido no Brasil em 2015, mas, ainda mais importante, para construir nossa base para o futuro”, afirma o vice-presidente financeiro e de Relações com Investidores da Ambev, Ricardo Rittes. Para 2016, a companhia espera transformar o cenário macroeconômico mais difícil em uma oportunidade para aprimorar ainda mais sua eficiência. “Historicamente, algumas das nossas apostas mais importantes foram feitas em cenários como o que enfrentamos agora”, explica o executivo.

A companhia também tem diversificado sua oferta de embalagens, investindo nas garrafas retornáveis de vidro, por exemplo. Além de trazerem benefícios indiscutíveis ao meio ambiente, elas podem ser de 20% a 30% mais baratas para o consumidor. Nos supermercados, o volume de retornáveis comercializado pela Ambev dobrou nos últimos três meses de 2015, quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Já nos bares, a empresa tem reforçado a presença das garrafas retornáveis de 1 litro, opção também mais econômica para o consumidor.

Resultado 4T15 X 4T14

No quarto trimestre de 2015, o EBITDA ajustado da Ambev totalizou R$ 8 bilhões, o que representa um crescimento orgânico de 7% frente ao mesmo período do ano anterior. A receita líquida da companhia avançou 10,4% entre outubro e dezembro, somando R$ 15,3 bilhões. Já o lucro líquido ajustado da companhia no consolidado foi de R$ 4,4 bilhões no período, queda de 7,9%. O volume total de vendas da Ambev no quarto trimestre alcançou 47,9 milhões de hectolitros, queda de 3,3% na comparação com o quarto trimestre de 2014.

Considerando apenas as operações da Ambev no Brasil, o EBITDA ajustado da companhia apresentou um crescimento orgânico de 8% no quarto trimestre de 2015, chegando a R$ 5,2 bilhões. A receita líquida no País totalizou R$ 8,5 bilhões, um aumento de 7% na comparação com o quarto trimestre de 2014.

O volume total de vendas da Ambev no Brasil foi de 32,7 milhões de hectolitros no trimestre, o que representa recuo 3,5% na comparação anual. Desse total, foram comercializados 24,4 milhões de hectolitros de cerveja nos últimos três meses de 2015, uma redução de 2,5%. Já a venda de refrigeNANC (refrigerantes, bebidas não-alcóolicas e não-carbonatadas) teve queda de 6,4%, para 8,3 milhões de hectolitros no trimestre.

Resultado 2015 X 2014

A Ambev terminou o ano de 2015 com alta de 12,4% no EBITDA (lucro antes dos juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado, para R$ 22,2 bilhões, e crescimento de 12% na receita líquida, somando R$ 47,6 bilhões. O lucro líquido ajustado da companhia somou R$ 13,2 bilhões no ano passado, uma alta de 6,3% na comparação com 2014.

Em 2015, o EBITDA ajustado das operações brasileiras da Ambev teve aumento de 10,8% em relação ao ano anterior, para R$ 14,1 bilhões. No ano, a receita líquida da cervejaria subiu 8%, somando R$ 26,3 bilhões.

O volume de bebidas comercializado pela companhia no País caiu 2,7%, totalizando 114,3 milhões de hectolitros. Em cerveja, o volume de vendas de 2015 foi de 85,3 milhões de hectolitros, queda de 1,8%. Já o volume de refrigeNANC vendido foi de 29 milhões de hectolitros, redução de 5,2%.

Os investimentos da Ambev em 2015 mantiveram o patamar recorde registrado no ano anterior. Foram investidos R$ 5,2 bilhões em todos os 18 países onde a companhia atua, dos quais R$ 3,1 bilhões no Brasil.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *