You are here
Home > Economia > Investidores estrangeiros estão mais satisfeitos com Brasil que mercado interno

Investidores estrangeiros estão mais satisfeitos com Brasil que mercado interno

Luiz Otávio Oliveira: a grande preocupação do investidor estrangeiro em relação ao Brasil é a reforma da previdência.

Num país em que as dúvidas só aumentam a cada turbulência política que surge, o investimento estrangeiro na economia brasileira surpreende e registra números em curva crescente. Segundo a Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e Globalização (Sobeet), a fatia estrangeira na chamada Formação Bruta de Capital Fixo chegou a 18,6% ao fim do primeiro trimestre deste ano, o maior nível desde dezembro de 2002. Só nos primeiros dois meses do ano, US$ 16,8 bilhões entraram no país, recorde histórico para o primeiro bimestre do ano. Comparado ao mesmo período do ano passado, houve um incremento de 57% no ingresso de capital estrangeiro na economia brasileira.

Apesar da perspectiva interna ainda ser bastante pessimista, o investidor estrangeiro vê o Brasil com bons olhos por uma série de fatores. Para o vice-presidente da PIMCO na América Latina, Luiz Otávio Oliveira, quando fundos de investimento globais olham para o mercado brasileiro, eles comparam o Brasil com países emergentes como Rússia, Turquia, China, África do Sul e México. “Quando se compara o retorno ajustado ao risco Brasil em relação a esses países, o Brasil ainda se destaca”, afirma Oliveira. Segundo ele, as altas taxas de juros brasileiras oferecem a chance de se investir em renda fixa, obtendo retornos reais e nominais acima da média do que se consegue em outros lugares.

“Se ampliarmos o olhar e analisarmos o contexto, o horizonte é favorável”, avalia Oliveira. E justifica: “o Brasil tem democracia sólida – apesar dos problemas políticos – e imprensa livre; tem reservas internacionais de 380 bilhões de dólares, com um Banco Central que faz uma gestão dessas reservas de forma muito bem feita e bem vista lá fora, o que dá uma certa garantia e tranquilidade.” Os altos índices de inadimplência e desemprego preocupam mas, segundo ele, não a ponto de afugentar o capital. “Assim como nos EUA, boa parte do PIB brasileiro está concentrada no consumo. Quando há desemprego alto, as pessoas tendem a consumir menos, mas outros fatores acabam por compensar isso”, afirma. Há um ano, as previsões davam como certo que o PIB sofreria retração de 3,5%. Agora, já se fala em um ligeiro crescimento.

Oliveira alerta que a grande preocupação do investidor estrangeiro, hoje, em relação ao Brasil, é a reforma da previdência. “Se a reforma não for aprovada, o grau de endividamento do país deve subir a níveis elevados”, alerta. Outro ponto de atenção que, segundo Oliveira, às vezes deixa investidores descontentes, é a questão da estabilidade jurídica. “Muitas vezes, o governo realiza concessões de aeroportos, ferrovias. O investidor estrangeiro resolve entrar e depois de 2 ou 3 anos muda o governo e alguém vai lá e revisa o que havia sido acordado. Investidor gosta de estabilidade”, explica Oliveira. Para ele, esse tipo de insegurança jurídica prejudica porque pode fazer o investidor recuar ou então demandar um retorno muito alto pra poder compensar essa instabilidade.

A PIMCO administra atualmente 1,6 trilhão de dólares e abriu recentemente um escritório de gestão de fundos de investimentos no Brasil. Luiz Otávio de Oliveira esteve em Curitiba a convite da Inva Capital Gestora de Investimentos, para falar com empresários locais.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top