You are here
Home > Artigos > Por que não podemos comparar Bitcoin às Tulipas

Por que não podemos comparar Bitcoin às Tulipas

Em tempos de queda do Bitcoin, como os que vivemos agora, é comum buscarmos no passado histórias que justifiquem essa flutuação. E, nesses casos, sempre a “Febre das Tulipas” surge como referência. Tulipas são plantas que levam de 7 a 12 anos para florescerem e permanecem floridas por uma apenas uma semana, entre os meses de maio e abril. Estas características as levaram, em 1636, a serem negociadas em contratos – uma modalidade muito semelhante aos contratos futuros que temos hoje.

O momento ficou conhecido como a Febre das Tulipas e muita gente entrou no negócio especulando grandes lucros futuros. Por conta de tamanha procura, esses contratos chegaram a se valorizar em até 20 vezes o valor inicial.

Porém, independentemente do valor comercializado, o custo para se produzir uma tulipa não muda. Os insumos, o preço da mão de obra e até a quantidade de trabalho empregado não variam, são os mesmos. O mercado pode até explorar a dificuldade de produção, a escassez, a disponibilidade dos investidores, mas apesar dessas variáveis o custo para se produzir a planta sempre será o mesmo.

O Bitcoin é uma criptomoeda e por isso falamos aqui de uma nova fronteira tecnológica e financeira. Conhecido por ser o pioneiro entre as criptos e também por representar uma inovação, o Bitcoin representa um sistema financeiro absolutamente descentralizado e fora do alcance da intervenção estatal.

Logicamente, ele tem um custo para ser produzido – assim como uma tulipa. Entre eles, energia elétrica, pessoal, equipamentos, e a dificuldade de mineração – como é chamada a maneira como são criadas novas criptomoedas. Essa dificuldade varia muito e um dos critérios é a quantidade de mineradores interessados.

O valor de mercado do Bitcoin é o fator mais importante para os mineradores, o que torna a atividade rentável e atraente. Mas todo esse interesse, também faz aumentar os custos de mineração. Ou seja, quanto mais o Bitcoin se valoriza, mais caro é o seu custo de produção.

O Bitcoin sempre terá seu custo atrelado ao preço. Em alguns momentos, inclusive, o preço estará abaixo do custo de produção, levando o minerador a não vender o Bitcoin minerado até que seu preço suba novamente ao patamar esperado.

Então como podemos comparar Bitcoins às tulipas? Como podemos comparar mercados tão diferentes? A resposta é: não podemos. Não há similaridade, mesmo que os economistas mais empenhados queiram ver algum tipo de familiaridade, em especial quando tentam caracterizar o Bitcoin como bolha – aliás, um assunto já ultrapassado.

A flutuação do valor do Bitcoin – que apresentou grandes altas e algumas perdas no último ano, seguidas da estabilidade no número de investidores – é prova incontestável da saúde e da liquidez desta que é hoje a principal criptomoeda do mercado. Sendo assim, comparar dois ativos com caraterísticas tão distintas serve apenas para denegrir um novo mercado revolucionário e promissor. No Brasil já temos mais pessoas investindo em Bitcoin do que na Bolsa de Valores de São Paulo. São quase 1,5 milhão de investidores, contra os 700 mil da B3.

Para todos os efeitos, é preciso entender que o ineditismo do conceito e da tecnologia das criptomoedas torna impossível compará-las a qualquer outro ativo, commoditie ou investimento atual. Por que não tratá-las como um mercado ascendente?

O artigo foi escrito por Samuel Maurer, que é analista do Grupo Bitcoin Banco, um dos primeiros da América Latina a atuar com investimentos e negócios relacionados às criptomoedas.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top