You are here
Home > Indústria > Abimaq prevê crescimento de 10% nas vendas na Agrishow

Abimaq prevê crescimento de 10% nas vendas na Agrishow

De 29 de abril a 03 de maio será realizada, em Ribeirão Preto, a Agrishow, considerada a feira de negócios que há 26 anos movimenta o agronegócio brasileiro, reunindo profissionais de todas as regiões do Brasil e do mundo. Nesta edição, em uma área de 520 mil m², 800 marcas expositoras nacionais e internacionais – vindas dos Estados Unidos, Argentina, França, China, Índia e Turquia – trarão o que há de mais novo em tecnologia agrícola, em relação ao maquinário, lançamentos exclusivos e as principais tendências do ano para um púbico qualificado estimado em 150 mil.

Em coletiva realizada nesta terça-feira, 26, em São Paulo, durante a Feira Internacional do Plástico e da Borracha, dirigentes da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) e autoridades do setor de agronegócio apresentaram as novidades da edição deste ano da Agrishow, que tem por objetivo ser uma feira completa com expositores de toda a cadeia produtiva: sementes, defensivos e fertilizantes, além de contar com a participação de todas as câmaras setoriais da Abimaq.

O presidente da Abimaq, João Marchesan, destacou a expectativa de crescimento de 10% em volume de negócios em relação à edição de 2018. Para ele, a Agrishow 2019 acontece em um grande momento de expectativas do agronegócio brasileiro. “O setor de máquinas agrícolas acompanha o crescimento do agronegócio. Temos uma nova concepção de modernidade com a chamada Agricultura 4.0 e com isso uma necessidade da agricultura se modernizar, acompanhar as tendências e renovar seu maquinário, defasado há dez e até 15 anos”, disse Marchesan.

Dados conjunturais

Na segunda parte da coletiva, a Abimaq apresentou os últimos dados conjunturais do setor. O mês de fevereiro de 2019, dentro do esperado, cresceu 23,8, na comparação ao mês anterior. Esse aumento foi impulsionado pelas vendas para o mercado interno (63,2%), que voltou ao nível de setembro de 2018, após uma relevante desaceleração no final de 2018. Os dados também são positivos, ao considerar a Receita Líquida Total do setor, que apresentou crescimento de 10,6%. Assim, a receita líquida do setor alcançou R$ 6,5 bilhões contra R$ 9,8 bilhões na média do período 2010-13. A expectativa é que nos próximos meses a receita mantenha-se acima do resultado de 2018.

Em fevereiro de 2019 a exportação do setor registrou queda acumulada de 17,7%. A queda se explica, principalmente, pela recessão na economia Argentina, ao reduzir suas compras de máquinas em 55%, no primeiro bimestre de 2019. Outro dado curioso, refere-se ao destino das exportações com os Estados Unidos e a Europa representando aproximadamente 50% das vendas de máquinas e equipamentos brasileiros. Já em relação à América Latina, a participação nas vendas ao exterior atingiu 33% – o menor patamar dos últimos dez anos.

Quanto às importações, no mês de fevereiro de 2019, as importações caíram 15,5% quando comparadas com janeiro deste ano. Já comparando a fevereiro de 2018, houve crescimento de 2,6%, elevando assim o desempenho anual para 1,1%. A China vem se consolidando, nos últimos dois anos, na posição de principal origem das importações de máquinas e equipamentos, tanto em valor, como em volume.

Consumo aparente

O mês de fevereiro de 2019 apresentou pelo segundo mês consecutivo alta dos investimentos produtivos em máquinas e equipamentos com incremento de 9,2% no resultado de janeiro de 2019. No bimestre, o consumo chegou a R$ 16,5 bilhões, 18,4% acima do mesmo período de 2018. Há que considerar neste resultado a variação cambial do período de (16%) que elevou os valores das máquinas e equipamentos importados.

Enquanto isso, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) ficou 5,8% acima do resultado acumulado no bimestre de 2018. Apesar da melhora, a indústria de máquinas e equipamentos continua trabalhando com alto índice de ociosidade. Já em relação ao emprego, a partir de 2018, o setor iniciou a retomada. No mês de fevereiro de 2019, o setor apresentou aumento no número de pessoas empregadas de 1%, chegando a 306 mil postos de trabalho.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top