You are here
Home > Artigos > Impacto econômico dos feriados prolongados

Impacto econômico dos feriados prolongados

De acordo com o Conselho Mundial de Viagens e Turismo, o setor de turismo e viagens é um dos principais em todo o mundo, sendo responsável por 10,4% de todo a geração de renda global. Também gera 313 milhões de empregos, o que corresponde a aproximadamente 10% de todos os postos de trabalho mundiais, com tendência de crescimento nos próximos anos.

Feriados mais próximos aos fins de semana tendem a ser mais positivos, por gerarem maior produtividade no turismo de lazer em regiões como as praias do Nordeste e do Rio de Janeiro, das Serras Gaúchas, dos museus e parques em São Paulo, entre outros. Inclusive, diferentemente do Brasil, alguns países têm feriados que se movem para evitar de caírem no meio da semana, empurrando-os para o final de semana. O que acaba gerando maior produção e renda.

Os setores que mais lucram são os serviços de lazer, turismo, câmbio, transportes, hospedagem e alimentação. De acordo com o International Society of Hospitality Consultants, o setor hoteleiro atualmente conta com aproximadamente 10 mil hotéis, com uma projeção de crescimento de 13% até 2022. É importante salientar que diversas regiões e municípios no Brasil dependem do turismo, com estruturas e negócios que se desenvolvem para receberem os turistas tanto em feriados prolongados como períodos de férias, seja no verão ou no inverno.

Para se ter uma ideia, de acordo com o Ministério do Turismo, no ano passado no feriado do Dia do Trabalhador e Corpus Christi aconteceram 4,5 milhões de viagens pelo Brasil e foi injetado R$ 9 bilhões na economia. Já o feriado prolongado de 12 de outubro teve aproximadamente 3,24 milhões de viagens domésticas e impacto econômico de R$ 6,7 bilhões nos destinos visitados. A estimativa do Ministério do Turismo é de que os sete feriados prolongados de 2018 resultaram em 13,9 milhões de viagens e injetaram R$ 28,84 bilhões na economia brasileira.

Após uma profunda recessão econômica, uma das mais longas de sua história, o Brasil iniciou uma lenta recuperação. A questão principal é a retomada da economia e consequente aumento da renda e emprego. Isso é mais importante para o crescimento dos negócios e dos setores ligados direta ou indiretamente ao turismo. Mesmo os feriados não conseguem compensar os efeitos negativos de uma crise econômica generalizada, a qual o Brasil tem enfrenta, mas é fundamental ressaltar que a retomada econômica impacta positivamente na geração de emprego e renda, logo, impulsionando o setor de turismo.

Hoje o mercado financeiro e o governo esperam crescimento econômico na ordem de 2,5%, tanto para 2019 como para 2020. O comércio em geral tende a ser mais resiliente em períodos de crise, acompanhando o crescimento econômico. Esperamos que esses números se afirmem e que o Brasil possa aumentar a capacidade de crescimento nos próximos anos.

Apesar de não ser uma recuperação consolidada, existe o início de retomada em vários setores. O destaque vai para o otimismo dos empresários e consumidores nos últimos meses. Entretanto, há muitas incertezas, que passam pela ainda frágil economia brasileira, as instabilidades financeiras e turbulências comerciais internacionais e a ampla agenda de reformas que iniciou a ser proposta pelo novo governo. Apesar desses fatores, as perspectivas de crescimento tendem a elevar a geração de renda e os gastos dos consumidores em 2019. Em suma, espera-se que o comércio e serviços, inclusive o turismo, tenham um ano muito melhor do que os anteriores.

O artigo foi escrito por Eduardo Trapp Santarossa, que é professor dos cursos das áreas de Negócios e Ciências Jurídicas e Sociais no Centro Universitário da Serra Gaúcha.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top