You are here
Home > Economia > Nova revisão do PIB e crise internacional preocupam empresários

Nova revisão do PIB e crise internacional preocupam empresários

A ansiedade por melhora na economia brasileira é grande. Não apenas por parte do cidadão comum, que sonha em se levantar financeiramente, mas também do empresariado. No entanto, o cenário não está tão positivo assim. Com o reconhecimento do governo brasileiro que o crescimento da economia do país será menor do que o previsto, acende-se uma luz vermelha. E, se não bastasse, a tensão internacional entre China e Estados Unidos vem desestabilizando a moeda internacional, que já mostrou sinais de aumento.

Segundo o Ministério da Economia, o governo revisou as projeções de alta do PIB para esse ano, recuando de mais de 2% para 1,24%. Para Rui Rocha, sócio fundador da Partner Consulting com essa revisão e queda na projeção, fez com que o otimismo do empresariado começasse a deixar de existir, e isso preocupa em muito. “Desde que o novo governo assumiu, não temos nenhuma resposta e nem reação do mercado favorável às mudanças ou mesmo iniciativas de mudanças”, salienta. “Iniciou-se o ano com a expectativa muito grande em relação a mudança do direcionamento econômico e macroeconômico, além de todas as questões de reformas. Mas até então não vislumbramos nada de concreto”, afirma Rui.

Falta jogo de cintura

As diversas promoções de desencontros do atual governo podem prejudicar em muito as negociações da Câmara e no Senado, em relação principalmente a aprovação necessária da Reforma da Previdência. “Não sentimos que há esforço político para isso. Vemos na verdade um grupo de centro dominando e impondo ao governo, que não sabe negociar, situações diversas”, explica Rui. “Falta muito jogo de cintura e relacionamento entre as diversas frentes, inclusive com setores da sociedade”, afirma.

Além da fragilidade da economia brasileira, o impacto da guerra comercial entre a China e os Estados Unidos vem preocupando ainda mais os empresários. Com O anúncio do aumento da taxação dos produtos americanos pelo líder asiático, desestruturou as negociações na bolsa de valores. “Isso é preocupante, pois além de termos diversas dificuldades domesticas a serem trabalhadas, passamos a ter um componente internacional que não temos quase nada o que fazer”, avalia Rui. “Passamos por uma das piores crises econômicas, com quedas de 3,8% e 3,6% do PIB em 2014 e 2016. De lá para cá o crescimento é pequeno. Com a queda anunciada pelo Ministério da Economia do PIB, a retomada é muito lenta e franca, aumentando o desemprego, limitando consumo e pouco investimento do setor produtivo”, pontua.

Aprovação das reformas

Segundo Rui Rocha a expectativa ainda é de uma reação do Governo Federal, para que o mercado também comece a reagir. “Sinto ainda como se estivessem em campanha eleitoral, buscando cumprir as promessas, mas esquecendo que existe algo maior a ser feito”. Para se ter sucesso em 2019, primeiramente necessita da aprovação das reformas e da continuidade das políticas de privatização, para somente depois liberar crédito para os setores críticos da economia. “Obviamente que isso apenas ocorrerá com o aumento dos investimentos externos no Brasil, o que poderá interferir de forma significativa no comportamento do câmbio brasileiro”, alerta o consultor.

Hoje o empresariado encontra dificuldade de crédito para financiar o crescimento de seus negócios. “A manutenção da política de juros no Brasil está sendo motivadora principalmente pelo baixo índice de inflação. No entanto, uma coisa é certa, a indústria brasileira precisará dar sinais de eficiência, pois o governo quer estimular a competitividade e se não estivermos preparados com certeza perderemos a competitividade para produtos e empresas internacionais. A qualificação da mão de obra e investimento em inovação são formas imprescindíveis que o empresário brasileiro tem para enfrentar a concorrência”, finaliza Rui Rocha.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top