You are here
Home > Artigos > As opções de estratégias macroeconômicas para 2020

As opções de estratégias macroeconômicas para 2020

Na ausência de manifestações mais incisivas e detalhadas, provenientes do Ministério da Economia, acerca da agenda de orientação econômica oficial para o corrente ano, os mercados vêm trabalhando com dois estilos e densidades de condução dos instrumentos de estabilização e mecanismos direcionados à retomada do crescimento, ambos com acentuadas diferenças em chances de confirmação e interferências nas escolhas estratégicas dos agentes sociais em médio e longo prazo.

O primeiro cenário englobaria o aproveitamento do clima favorável criado pela superação do estágio recessivo, que perdurou entre abril de 2014 e dezembro de 2016, e a conformação de arranjos mais visíveis de saída da estagnação, prevalecente entre 2017 e meados de 2019, para a promoção do aprofundamento do projeto de reformas institucionais, imprescindíveis ao resgate da funcionalidade do setor público, impulsão da eficiência microeconômica, eliminação da interpretação de risco sistêmico à inversão corporativa e, por consequência, eclosão virtuosa da expansão sustentada.

É claro que se trata de expectativas bastante otimistas, especialmente se forem considerados dois inconvenientes interligados. O primeiro diz respeito aos parcos avanços registrados em 2019, praticamente restritos à aprovação do novo arcabouço de aposentadorias e pensões, com potência de compressão fiscal equivalente, em uma década, a 2/3 daquela esboçada na proposição inicial encaminhada pelo executivo ao legislativo.

A segunda limitação enfeixa apostas de continuidade da enorme capacidade de geração de atritos políticos e institucionais, por parte do Palácio do Planalto, o que minimiza tanto as chances de edificação de sólida base congressual quanto à factibilidade de tramitação, discussão e aprovação de temas integrantes da pauta de reorganização gerencial e financeira do estado brasileiro. 

Nesse sentido, apesar de a reforma política de 2018 ter produzido, dentre alguns avanços, a redução em praticamente pela metade do tempo do ciclo eleitoral para 2020, vislumbra-se a multiplicação de dificuldades de empenho de deputados e senadores no carregamento e defesa da cesta de modificações estruturais, por conta da priorização dos objetivos de organização de retaguardas municipais para amparo ao pleito de 2022.

O segundo eixo alternativo de providências macroeconômicas repousaria no reconhecimento, ainda que velado, dos expressivos obstáculos a serem enfrentados pelo esforço reformista e, por extensão, premência de reforço de comunicação da avaliação de encerramento da depressão e constituição de circunstâncias efetivas à firme reativação dos negócios, apoiada no abrandamento da dominância fiscal, motivado pelo novo paradigma previdenciário e, principalmente, desdobramentos da queda da inflação e dos juros na dinâmica de ocupações e consumo das famílias.  

É desnecessário ser um arguto observado do panorama conjuntural para perceber que tal inclinação dependeria quase que exclusivamente da redução da ociosidade dos fatores de produção disponíveis, representados por mão de obra, máquinas, equipamentos e instalações.

Em sendo isso feito, estaria sendo criado o conjunto de requisitos essenciais à reprise do filme do “voo da galinha”, que sairia de cartaz com a exaustão das margens de capacidade de oferta, formação de pressões inflacionárias e novas rodadas de elevação dos juros, capitaneadas pela autoridade monetária. Seria o regresso da patologia depois de breve convalescença.

Em outras palavras, a moderada diminuição dos sinais de anemia econômica estaria com os “dias contados” em caso de não prosseguimento da jornada no sentido da realização de substanciais transformações no modus operandi do aparelho econômico, capazes de provocar a redescoberta dos componentes de operação eficiente dos elementos indutores do crescimento de longo termo.

Estes seriam notadamente a infraestrutura física e científica e tecnológica, cruciais para a compressão do custo Brasil e inserção das empresas públicas e privadas nos espaços abertos pela 4ª revolução industrial, centrada digitalização e inteligência artificial, em curso acelerado no front global.

À primeira vista, a gestão Bolsonaro aparenta apreciável déficit de atenção com os inevitáveis efeitos contracionistas dos aspectos subjacentes à desaceleração da economia mundial, ocasionados, em grande proporção, por tensões comerciais e geopolíticas, especificamente conflitos tarifários entre os dois maiores mercados (Estados Unidos e China), imbróglios com o Irã e repercussões na disponibilidade e preço do petróleo, default argentino e explosão dos protestos populares em importantes nações da América do Sul.

Na mesma linha, o governo aparentemente ainda não enxergou a radical alteração registradas nas engrenagens da máquina econômica, sobretudo a partir do final de 2016, quando, diante da situação de estado quebrado, em suas várias instâncias, houve a assunção do protagonismo do setor privado, sedento por um ambiente carregado de segurança institucional, flexibilização tributária, crédito farto e barato, câmbio competitivo e flancos para arrojadas ações dirigidas à pesquisa, desenvolvimento e inovação.

 Até porque, a consistente descida do patamar de juros, verificada desde fins de 2016, em sintonia com a rota descendente da inflação, ensejou a formação de significativa massa de poupança financeira sujeita às remunerações menos atrativas e sedentas por deslocamento das aplicações para carteiras ligadas a ativos reais.

As reformas representam a solução não traumática para o impasse distributivo e obtenção de saltos na produtividade agregada, única saída para a nação escapar da maldição do envelhecimento desprovido de desenvolvimento, conforme aponta estudo recente da Oxford Economics.

O artigo foi escrito por Gilmar Mendes Lourenço, que é economista, consultor e ex-diretor presidente do IPARDES.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top