You are here
Home > Trabalho/Emprego > Ato contra fechamento da Araucária Nitrogenados reúne cerca de 2 mil manifestantes no Paraná

Ato contra fechamento da Araucária Nitrogenados reúne cerca de 2 mil manifestantes no Paraná

Petroleiros de todo o país ligados à Federação Única dos Petroleiros (FUP) realizaram manifestações na manhã desta sexta-feira (17/1) contra a decisão da atual diretoria da Petrobrás de desativar a Araucária Nitrogenados (Ansa/Fafen-PR). O maior ato ocorreu na porta da Ansa/Fafen-PR, reunindo cerca de 2 mil manifestantes.

Além dos trabalhadores da unidade, participaram do protesto funcionários da Repar, refinaria vizinha à Ansa/Fafen-PR, bem como representantes dos sindicatos filiados à FUP, de movimentos sociais e estudantis. O ato ainda contou com a participação do ex-senador Roberto Requião, do deputado estadual Requião Filho (MDB) e de vereadores de Araucária.

A paralisação da Ansa/Fafen-PR vai provocar a demissão de cerca de mil pessoas, gerando grande impacto na economia local e regional. Cálculos do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Zé Eduardo Dutra (Ineep) apontam que somente o município de Araucária, onde está instalada a Ansa/Fafen-PR, vai sofrer impacto negativo de R$ 75 milhões anuais com a demissão dos trabalhadores e a perda de suas rendas. A perda se estende também aos cofres do governo do estado do Paraná, que pode deixar de recolher cerca de R$ 50 milhões em ICMS.

“A paralisação da unidade afeta diretamente mil empregos, mas há pelo menos outras 2 mil vagas que estão ameaçadas nos setores de comércio e serviços de Araucária, Curitiba e outros municípios da região metropolitana, por causa da perda de renda dos funcionários da Ansa/Fafen-PR. Pequenos comerciantes e prestadores de serviços também vão ser impactados”, frisou o diretor da FUP, Gerson Castellano.

Castellano ainda questionou o prejuízo alegado pela diretoria da Petrobrás para paralisar a Ansa/Fafen-PR. “Esse prejuízo é apenas contábil. A matéria-prima usada pela unidade é um resíduo que vem da Repar, que é da Petrobrás. Só que a Fafen paga por ele preço de mercado internacional, não o real custo do insumo. Até 2015 a Fafen dava lucro, mas essa mudança contábil feita pela diretoria da Petrobrás fez a companhia ter prejuízos”, aponta o diretor da FUP.

Além do ato na entrada da Ansa/Fafen-PR, houve manifestações na Replan, em Paulínia, e na Recap, em Capuava (SP); na Reduc, em Duque de Caxias (RJ); no Aeroporto do Farol, em Campos dos Goytacazes (RJ); na Regap, em Betim (MG); no Terminal da Transpetro (TAVIT), em Vitória (ES); no Edifício da Petrobras (Ediba), em Salvador (BA); na Refap, em Canoas (RS); na Reman, em Manaus (AM); no Polo Guamaré (RN), na Refinaria Abreu e Lima e no Terminal da Transpetro de Suape, em Ipojuca (PE); e na Lubnor, em Fortaleza (CE).

Perda da produção de ureia

A Ansa/Fafen-PR é hoje a única produtora de ureia no país, insumo básico para a produção de fertilizantes. O volume produzido na unidade corresponde atualmente a cerca de 10% do que é consumido no país – outros 90% vêm de fora.

A produção da Fafen-PR, somada às da Fafens da Bahia e de Sergipe, que foram arrendadas pela Petrobrás no fim de 2019, garantiam cerca de 30% da produção de insumos para fertilizantes. A paralisação de mais essa unidade deixa o país ainda mais exposto ao mercado internacional de fertilizantes, trazendo impacto direto para o agronegócio e aumento do preço das commodities.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top