You are here
Home > Finanças > Como as fintechs estão pautando a regulação do mercado financeiro no Brasil

Como as fintechs estão pautando a regulação do mercado financeiro no Brasil

O avanço da tecnologia e a atuação das fintechs no Brasil geraram diversas mudanças no mercado financeiro. Os órgãos reguladores, atentos aos novos desafios advindos dessas mudanças, têm construído um diálogo com todos os agentes, pensando na abertura de mercado, mas sem perder o foco na segurança das operações, segundo afirmam os especialistas da JL Rodrigues, Carlos Átila & Consultores Associados, empresa com 21 anos de atuação, especializada em regulação, organização, acesso e supervisão do mercado financeiro e de capitais.

“As fintechs surgiram como solução menos burocrática e menos onerosa na prestação de serviços financeiros e, por serem ágeis e inovadoras, têm feito os órgãos reguladores trabalharem para acompanhar as mudanças que elas trazem. Não é papel dos órgãos reguladores estar adiantados às novidades, mas sim acompanhar o que acontece no setor e organizá-lo, visando a segurança dos consumidores e o amadurecimento do próprio mercado”, explica José Luiz Rodrigues, especialista em regulação e sócio da JL Rodrigues, Carlos Átila & Consultores Associados.

“Como resultado, vemos o Banco Central atualizando normas, e lançando consultas públicas sobre temas como o Sandbox Regulatório e o Open Banking, para propiciar um ambiente que favoreça a competição e a inclusão de novos players, sem gerar riscos aos usuários”, completa.

A entrada de novos modelos de negócio no mercado fomenta a criação de produtos dinâmicos e de um ambiente com mais competição que, por sua vez, reduz custos para o consumidor. Neste cenário, a responsabilidade dos órgãos reguladores é determinar o limite do que pode ser feito dentro de um ambiente que preserve a segurança nas operações. “Os reguladores estão sempre balizando o mercado, e como as fintechs são empresas mais rápidas, criativas e com mobilidade, elas acabam por trazer mais dinamismo nos processos de regulamentação”, complementa Rodrigues.

Segundo o especialista, em 2010 havia um cenário de afrontamento entre o sistema financeiro mais tradicional e as fintechs, mas desde 2017 há uma sinergia de processos. “Bancos e fintechs têm se olhado e enxergado uma relação não apenas de concorrência, mas de possível parceria. Nessa nova dinâmica, alguns bancos incorporaram fintechs em seus negócios, como uma estratégia para inovar na oferta de serviços”, argumenta Rodrigues.

Outra consequência direta da movimentação das fintechs no mercado foi a regulamentação de fintechs de crédito, definida pelo Banco Central, em duas opções: Sociedade de Empréstimo entre Pessoas (SEP) e Sociedade de Crédito Direto (SCD).

Um reflexo da rápida evolução do segmento é o aumento expressivo de fintechs nos últimos anos. Em 2017, havia cerca de 500 mapeadas no Brasil e, em 2019, esse número saltou para cerca de 700, de acordo com a ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs). Além disso, algumas fintechs brasileiras já são consideradas “unicórnios”, isto é, foram avaliadas em mais de US﹩ 1 bilhão.

De acordo com José Luiz Rodrigues, o maior desafio para o mercado financeiro é continuar acompanhando a evolução tecnológica. “As estruturas das fintechs são menores e permitem mais flexibilidade nas operações, enquanto os bancos atuam com mais robustez, por serem muito grandes, com uma governança muito rigorosa e, muitas vezes tradicionais em termos de produtos. O desafio do mercado é acompanhar essa evolução e, para isso, o sistema financeiro formal deve se apropriar do “conceito fintech” para ser mais competitivo”, conclui o especialista.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top