You are here
Home > Artigos > A economia também está na UTI

A economia também está na UTI

Em meio ao avanço da pandemia de coronavírus, os governos tentam mensurar o real impacto econômico da crise e partem em busca de novas projeções para 2020. Os números até o momento, não são nada animadores, mas ainda pouco precisos. No final da última semana, o governo brasileiro divulgou a projeção revisada para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano: 0,02%. O número representa uma queda significativa ante os 2,1% anunciados há pouco mais de 10 dias, o que reflete uma rápida mudança de cenário frente ao estágio inicial da pandemia em solo brasileiro.

Mas, o dado oficial do governo não deixa de ser um tanto otimista. Nos EUA, por exemplo, o agravamento da crise já fez o presidente norte-americano, Donald Trump, reconhecer a possibilidade de recessão na maior economia do mundo. O quadro é tão grave que a Câmara dos Deputados, dominada pela oposição do Partido Democrata, discutiu e aprovou um pacote de medidas na casa dos US$2 trilhões, em pleno ano eleitoral, para amenizar o impacto do coronavírus na economia norte-americana.

Ao mesmo tempo, em escala global, a agência de classificação de risco Fitch Ratings aponta para o crescimento do PIB global de 1,3%, ante aos 2,5% previstos no final de 2019. A se confirmar, falaremos do menor crescimento econômico global dos últimos dez anos, com fortes sinais de recessão a caminho. De modo geral, o que surpreende o mercado desta vez é a velocidade da deterioração econômica sem precedentes. De repente, no ano em que se falava em bolsa na casa dos 130 mil pontos e crescimento na casa dos 2%, ainda estamos em março e já assistimos a bolsa na casa dos 60 mil pontos e uma perspectiva otimista de crescimento zero.

Enquanto isso, o Banco Central do Brasil anuncia medidas econômicas para tentar minimizar esses impactos. No entanto, as elas ainda levarão um tempo para surtir efeito na realidade das pessoas e dos negócios. Até lá, a maior ameaça está no desemprego e no fechamento de empresas dos mais diversos setores, estando entre os mais frágeis a aviação, o turismo e o varejo.

Além disso, o cenário se agrava ainda mais com a perspectiva de uma menor arrecadação com os royalties do petróleo (também em crise) e o aumento dos gastos acima do orçamento do ano. Desse modo, na atual conjuntura, um PIB zero a zero já seria uma grande vitória. Isso porque, por mais otimista que possamos ser, uma recessão já é considerada certa caso não tenhamos uma grande reviravolta com a pandemia nos próximos 15 dias. Entre as projeções divulgadas pelo mercado até o momento, o Itaú Unibanco estimou uma retração de 0,7% em 2020. Já o Goldman Sachs indicou uma retração de 3,1%, enquanto a FGV apontou para um encolhimento de 4,4% da economia brasileira, considerando o cenário da crise de 2008.

Fato é que a própria variedade de projeções mostra que ainda existem muitas variáveis em jogo e o fator “tempo” sobre a pandemia é determinante para a elaboração de projeções mais assertivas, o que já sabemos é que o que virá será muito ruim e que, a esta altura, apenas a descoberta de uma vacina contra o coronavírus poderia tirar o mercado da UTI.

O artigo foi escrito por Ernani Reis (foto), que é analista da Capital Research.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top