You are here
Home > Trabalho/Emprego > Mais de 23% das empresas pretendem contratar temporários para o fim do ano

Mais de 23% das empresas pretendem contratar temporários para o fim do ano

A pouco menos de três meses para o Natal, o mercado de vagas temporárias para o fim do ano está movimentado. De acordo com levantamento feito pelo Empregos.com.br, um dos maiores portais de vagas no Brasil, mais de 23% das empresas pretendem contratar temporários no último trimestre de 2021. Além do aumento de oportunidades nas áreas de comércio e serviços (419%), já observado habitualmente considerando a época de festas, a pesquisa revelou um crescimento significativo na oferta de vagas nos setores de telemarketing (466%), construção civil (166%) e indústria (150%).

Leonardo Casartelli, diretor de marketing do Empregos.com.br, observa que além das oportunidades temporárias, principal recurso usado pelas empresas para atender à demanda extra do período, a expectativa para esse fim de ano é a abertura de vagas convencionais. “Muitas empresas diminuíram a carga de trabalho e precisaram reduzir o quadro de funcionários, mas estão voltando à normalidade e recontratando. Ano passado, nesse mesmo período, caímos de 130 mil vagas para 70 mil. Neste momento, estamos com 160 mil oportunidades, com expectativa de que boa parte das pessoas consiga efetividade nos cargos. É um bom momento para o mercado. Com esse aumento, os candidatos ficam otimistas e consequentemente voltam a procurar por recolocação”, afirma.

Muito disso se deve pelo avanço da vacinação e o retorno dos consumidores às ruas. Dentro desse contexto, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo prevê que o Natal de 2021 seja o melhor dos últimos anos na criação de vagas temporárias, com a contratação de 94,2 mil trabalhadores para atender ao aumento sazonal das vendas. Em 2020, ainda sem vacinas no Brasil, a época abriu apenas 68,3 mil vagas temporárias, a menor oferta em cinco anos.

O cenário é positivo. Entretanto, para os candidatos, o executivo ressalta que a grande diferença entre as oportunidades temporárias e as convencionais é a forma como o processo seletivo acontece, visto que no primeiro caso o método é mais rápido, objetivo e rigoroso. Enquanto uma vaga convencional fica aberta por 15 dias, uma temporária não fica nem por uma semana.

Diante disso, para aqueles que procuram ingressar no mercado de trabalho neste fim de ano, e até mesmo querem aumentar as chances de ser efetivado, Leonardo aconselha investir em qualificação. “Com a crise econômica provocada pela pandemia e o distanciamento social, surgiu um perfil de profissional interessado em cursos mais curtos. Não à toa, pesquisa feita pelo Empregos.com.br mostrou que 188% dos entrevistados realizaram cursos ao longo da pandemia. À medida que as pessoas foram se aperfeiçoando, a qualificação deixou de ser uma alternativa para virar condição básica. Isso em muitas áreas, principalmente as relacionadas com tecnologia”.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top