You are here
Home > Trabalho/Emprego > Mais da metade dos brasileiros está infeliz com o emprego atual

Mais da metade dos brasileiros está infeliz com o emprego atual

Como você se sente nos domingos à noite, segundas de manhã e sextas, quando chega o fim do expediente? Se você lida com ansiedade frente ao início da semana, cansaço já nas primeiras horas de trabalho e com êxtase pela chegada do final de semana, talvez seja um sinal para prestar atenção e avaliar o quão satisfeito você realmente está se sentindo com seu trabalho e sua rotina.

Na 17ª edição do Índice de Confiança Robert Half, pesquisa que analisa a percepção dos trabalhadores empregados e desempregados sobre o mercado, bem como sobre o futuro, 17% dos entrevistados afirmam estar insatisfeitos com seus empregos atuais, e 36% estão apenas parcialmente satisfeitos. Isso significa que 53% dos brasileiros não estão totalmente felizes com seus empregos, e as principais razões que levam e esse sentimento são o valor do salário, as poucas oportunidades de crescimento e a falta de reconhecimento.

Um estudo da empresa de recrutamento Catho, divulgado em 2020, indica que mais de 90% dos brasileiros têm o desejo de mudar de emprego e, de acordo com a pesquisa realizada pela consultoria Robert Half, 64% das movimentações de admissões no mercado de trabalho foram reempregos — quando um trabalhador já empregado muda de empresa —, e 48% dos desligamentos foram feitos a pedido do colaborador. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), registro permanente mantido pelo Ministério do Trabalho.

Saúde física, mental e financeira

Os altos índices de insatisfação têm grande impacto sobre a saúde dos colaboradores e, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a infelicidade no trabalho será uma das principais causas de afastamento dos profissionais nos próximos anos: quanto mais tempo um profissional passa em um ambiente de trabalho onde se sente infeliz, maiores as chances de que ele desenvolva problemas como insônia e depressão. Os sintomas e efeitos dessa infelicidade podem demorar a aparecer e costumam se manifestar com maior intensidade em pessoas com mais de 40 anos.

“Hoje, fala-se muito em ‘propósito’, mas, mais do que um modismo, essa palavra traz uma reflexão”, defende André Barretto, CEO e fundador da plataforma de orientação financeira n2 app. Além de um salário competitivo e condizente com a função exercida, muitas empresas têm buscado oferecer benefícios e vantagens para os colaboradores, no intuito de manter a equipe motivada e engajada. Entre os mais conhecidos e desejados pelos trabalhadores estão os planos de saúde e planos odontológicos, que contribuem para a manutenção da saúde física dos funcionários — no entanto, a saúde não se limita apenas ao bem estar do corpo, e depende de muitos outros fatores.

Um deles é a segurança financeira e, por isso, a plataforma de orientação financeira n2 app está trabalhando em conjunto com diversas empresas para que elas ofereçam o acesso ao aplicativo como benefício para os colaboradores. “Muitas vezes as pessoas ganham um bom salário, mas ainda vivem mês a mês, sem o hábito de poupar ou de investir. Isso gera insegurança, pois cada centavo vai fazer a diferença quando as contas chegarem. Nosso objetivo é contribuir com a  orientação e o planejamento financeiro dos brasileiros”, finaliza Barretto.

Por meio de um aplicativo, disponível para Android e iOS, a n2 disponibiliza conteúdos do Mercado Financeiro sobre finanças, empréstimos, investimentos e diversos temas por meio de trilhas de conhecimento, para que os usuários comecem a aprender ou se aprofundem no assunto. Além disso, há também a possibilidade de conversas, de forma anônima e segura, com consultores credenciados que orientam e tiram dúvidas sobre planejamento financeiro.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top