You are here
Home > Trabalho/Emprego > Trabalhadores preferem continuar em home office para driblar as altas dos combustíveis

Trabalhadores preferem continuar em home office para driblar as altas dos combustíveis

Se a pandemia da Covid-19 levou muitas empresas a colocarem seus colaboradores em home office, acelerando uma tendência que já vinha tomando corpo no mundo corporativo, com as flexibilizações, muitos trabalhadores tiveram a opção de voltar para trabalhar onsite (na própria empresa), retomando uma rotina mais “normal”.

Porém, um outro fator inesperado acabou influenciando a decisão: a alta dos combustíveis. Não é novidade que no último ano o preço da gasolina e do álcool dispararam nos postos de gasolina, chegando à casa dos R$8,00/litro, e isso fez com que muitos funcionários postergassem a volta aos escritórios e continuassem no home office. Segundo uma pesquisa da OnePoll, em parceria com a Citrix Systems, 54% dos colaboradores preferem ficar trabalhando de casa para evitar os altos gastos com combustível. Nos Estados Unidos, o número chega a ser maior, com 57%.

“As empresas e os trabalhadores aprenderam nos últimos anos como tornar o home office eficaz e funcional, já que não havia outra solução e, no fim das contas, viu-se que não era um bicho de sete cabeças. Com essa mudança de cultura, começou-se a pesar na balança vários outros custos-benefícios, e com os preços exorbitantes da gasolina, a economia em trabalhar de casa é representativa”, diz Daniela Velez, gerente de Recursos Humanos na Run2biz, empresa de tecnologia da informação (TI) que desenvolve soluções para gestão de serviços e hiperautomação e que recentemente obteve certificação GPTW (Great Place To Work), com altíssimo nível de satisfação de seus colaboradores.

Daniela conta que, na Run2biz, 95% dos funcionários trabalham remotamente, o que já coloca a empresa dentro da nova realidade. Além de economizar o dinheiro do combustível, corta-se a necessidade de enfrentar o trânsito todo dia, o que torna o período mais produtivo e reduz o nível de estresse dos funcionários.

Como a empresa já tinha se reestruturado durante a pandemia, e entendeu que mais importante do que obrigar os funcionários a estarem dentro do escritório é manter a satisfação e motivação deles, a Run2biz continuou apostando nessa estratégia e notou que a produtividade na verdade aumentou.

E essa filosofia segue a premissa da própria empresa, que busca, com seus serviços, tornar os processos de gestão de empresas de TI mais simples e eficientes, atacando os problemas, ao invés de criar rotinas engessadas que comprometam também a produtividade de seus clientes.

“Mostrar que nos preocupamos com nossa equipe é uma forma de mantê-la engajada nos trabalhos. Com organização e planejamento, conseguimos alcançar bons resultados e aí todos ganham com uma rotina mais leve e mais interessante, além da economia nas despesas com transporte e combustível”, reforça a gerente de Recursos Humanos.

 

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top