You are here
Home > Carreira > Veja quais são as 3 profissões em alta e que não precisam de faculdade

Veja quais são as 3 profissões em alta e que não precisam de faculdade

De tempos em tempos o mercado se renova. O avanço da tecnologia e as soluções digitais para afazeres que antes eram feitos de forma manual por pessoas são os principais motivos para essa renovação, que tem como consequência a desvalorização e até mesmo extinção de uma série de profissões do mercado de trabalho. Telefonistas, vendedores de enciclopédias e atendentes de vídeo locadora são apenas algumas das profissões que praticamente deixaram de existir com o tempo. A nova demanda de tecnologia também já tem outras profissões na mira para extinção como caixas de supermercado, corretores de imóveis, operadores de telemarketing e até mesmo operador de mídias sociais.

Para acompanhar o desenvolvimento do mercado e se manter de forma bem estruturada em uma determinada carreira ao longo dos anos é necessário estudo contínuo na área e principalmente aprimoração em habilidades com a tecnologia, já que historicamente podemos testemunhar a ascensão da tecnologia em praticamente todos os setores da sociedade.

Embora a notícia do fim para algumas profissões pareça uma notícia negativa, o efeito disso na sociedade gera vários benefícios. De acordo com a psicóloga e especialista em gestão de pessoas Maria Claudia Martins essa transformação é um avanço significativo e os profissionais precisam estar atentos ao mercado: ”Definitivamente o mercado muda todo os dias, então o profissional que quer se manter valorizado no setor precisa entender o desenvolvimento daquele setor e se capacitar para se destacar. Enquanto algumas vagas deixam de existir, outras milhares surgem todos os dias” disse a especialista.

Conforme explicado por Maria Cláudia, enquanto algumas profissões tornam-se inúteis para sociedade, outras surgem, porém com a necessidade de outras habilidades e a possibilidade de uma remuneração muito melhor. As principais oportunidades no mercado do futuro estão na área digital como profissionais de TI e estrategistas de marketing de conteúdo. Para ocupá-las é indispensável estudo e prática, mas para bons profissionais é possível alcançar salários que podem ultrapassar (e muito) o valor de R$10 mil reais por mês. Veja abaixo algumas das principais profissões do futuro e como você pode se preparar para este mercado:

Engenheiros de cibersegurança

Quem trabalha nesse cargo deve criar sistemas de segurança e monitoramento para evitar ataques cibernéticos, que são capazes de interferir nos processos existentes da companhia e ocasionar vazamentos de dados.

Para atuar como engenheiro de cibersegurança não é obrigatório possuir certificação, mas este pode ser um diferencial em processos seletivos, assim como fluência mínima em inglês. Por outro lado, a base teórica é obtida por meio de cursos de informática. É durante o estudo inicial, geralmente feito em cursos de introdução, que se desenvolve o conhecimento na área. É essencial dar continuidade à expansão da teoria em especializações, explorando as possíveis áreas de atuação que existem na cibersegurança. Um bom profissional também desenvolve o seu nível de conhecimento em assuntos relacionados com linguagens de programação. Atualmente o salário dessa profissão tem uma média de R$5 mil por mês, no entanto este valor ultrapassa os R$15 mil para profissionais com melhor reputação no setor.

Analista de Sucesso do cliente

Os analistas de sucesso do cliente estão em alta, principalmente nas empresas que operam modelos de negócios baseados em softwares. É papel do analista ser a consciência humana dentro deste processo e atuar diretamente com os consumidores para propor soluções, colher feedbacks e analisar métricas de satisfação. O profissional deve avaliar os indicadores de performance e acompanhar o ciclo de vida dos clientes, detectar se o produto ou serviço oferecido está alcançando o objetivo definido e levar aos setores superiores as informações necessárias para o ciclo estratégico de crescimento de vendas.

Não é necessário graduação para ocupar este cargo, mas é importantíssimo ser bem comunicativo para lidar com clientes. É uma função nova e, assim, deve-se estar disposto a aprender coisas novas. Como analista de sucesso do cliente, você lidará com frustrações e situações de conflito. Por isso, é necessário estar disposto e sair da zona de conforto.

Estrategista de marketing de conteúdo

Estrategista de marketing de conteúdo é o futuro da profissão conhecida como ”social media”. Diferentemente do ”social media”, que hoje em dia é aquele profissional que oferece pacote de postagens para as redes sociais ou até mesmo o serviço de postar e agendar posts, o Estrategista de marketing de conteúdo é o profissional capaz de criar conteúdo personalizado com potencial de engajamento, analisar métricas, criar linha editorial, desenvolver textos e traçar estratégias.

No mercado existe uma confusão entre bons profissionais que desempenham com sucesso todas as funções da área de um estrategista de marketing de conteúdo, mas não são tão valorizados no mercado porque se intitulam como ”social media”. O assunto foi tema recente de uma live do Paulo Cuenca, um dos maiores especialistas em marketing de conteúdo no Brasil: ‘A profissão de social media não tem todas atribuições como estudo de marca, branding, objetivo, estratégia e análise. Isso é função de um estrategista de marketing de conteúdo. Os bons estrategistas de marketing de conteúdo que se apresentam como social media ficam em desvantagem pelo grande números de pessoas que atuam no mercado apenas vendendo pacotes de posts por preços menores e rotulando o mercado de uma maneira negativa. Quase todo mundo tem uma história ruim com social media” disse o empresário durante uma transmissão no Youtube.

A remuneração de um ”social media” no Brasil gira em torno de R$900 e R$2.000 por mês, enquanto um estrategista de marketing de conteúdo pode ganhar mais de R$10 mil por mês.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top