You are here
Home > Capitalização > Mercado de Capitalização injetou R$ 8,79 bilhões na economia até maio

Mercado de Capitalização injetou R$ 8,79 bilhões na economia até maio

Os títulos de Capitalização vivem um dos melhores momentos desde o início da pandemia da Covid-19. Isso é comprovado pelo volume de recursos, devolvido à sociedade, da ordem de R$ 8,79 bilhões oriundos de sorteios e resgates. Foram R$ 8,18 bilhões (+2,9%) em resgates e R$ 609 milhões (+17,1%) nos sorteios, que chegaram ao mercado em forma de investimento e consumo até maio deste ano.

Esse montante foi possível graças ao aumento de 17,7% na receita do setor, levando em consideração todas as modalidades. A arrecadação até maio foi de R$ 11,2 bilhões, de acordo com os dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep). Para a Federação Nacional de Capitalização (FenaCap), o resultado positivo em todos os estados brasileiros reforça a retomada do crescimento do mercado de títulos de Capitalização, apesar de o momento ainda ser desafiador para a economia.

As reservas técnicas, que medem a robustez financeira do setor, avançaram 5,7% para o maior patamar da história: R$ 34,4 bilhões. Por regiões, o Nordeste apresentou o maior crescimento (28,42%), seguido do Norte (26,40%), do Centro-Oeste (21,82%), do Sul (17,06%) e do Sudeste (14,89%). Todos os estados, mais o Distrito Federal, tiveram evolução de dois dígitos nos primeiros cinco meses de 2022 comparada a igual período do ano passado.

Para Márcio Coutinho, presidente interino da FenaCap, “a Capitalização é um ambiente de negócios baseados em duas vertentes: a de promover aspectos essenciais na vida da população, como importante ferramenta de disciplina financeira, de planejamento para emergências e geração de reserva de valor e a motivação dos titulares dos produtos de participarem de sorteios, uma característica há décadas incorporada pela sociedade brasileira”.

Segundo Coutinho, o resultado também é o esforço dos brasileiros em buscar formas que permitam o acúmulo de reservas financeiras. Uma das bases dessa recuperação, mesmo em um período extremamente desafiador para a economia, é porque a Capitalização desenvolveu uma grande capacidade de criar soluções de negócios com sorteio, voltadas para o atendimento de necessidades específicas de outros segmentos da economia e dos consumidores em geral.

Os títulos tradicionais de Capitalização continuam liderando as vendas, seguidos pela modalidade de Filantropia Premiável, Instrumento de Garantia, Incentivo e Popular. A Filantropia Premiável registrou crescimento de 19,6% sobre igual período de 2021, totalizando R$ 1,33 bilhão. Com isso, o volume de recursos direcionado às organizações filantrópicas foi de R$ 596 milhões.

Aprimorar os mecanismos de relacionamento com o consumidor e oferecer soluções mais ágeis têm sido determinantes para a sustentabilidade do mercado em níveis positivos de crescimento. O setor, por exemplo, precisou realizar grandes investimentos em plataformas digitais. Isso resultou em mais transparência e maior agilidade nos processos e descentralização da atividade. Como resultado positivo, a inovação permite ao cliente comprar um título de qualquer lugar pela internet.

 

“É preciso reforçar a Capitalização como segmento que promove negócios com aspecto lúdico dos sorteios. Contamos, assim, com o apoio das 16 associadas, que é vital nesta jornada de compreensão das necessidades das pessoas”, finaliza.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top