Fábricas viabilizadas pelo Paraná Competitivo em 2023 adicionam R$ 1,5 bilhão ao PIB

Fábricas viabilizadas pelo Paraná Competitivo em 2023 adicionam R$ 1,5 bilhão ao PIB

Serão gerados 16 mil empregos pelo programa coordenado pela Invest Paraná em parceria com a Secretaria da Fazenda

Investimentos em novas fábricas que foram viabilizados pelo Programa Paraná Competitivo em 2023 têm o potencial de adicionar R$ 1,56 bilhão ao Produto Interno Bruto (PIB) anual do Estado. O dado foi revelado por um estudo do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), que analisou os impactos socioeconômicos gerados a partir das 31 empresas que aderiram ao programa com projetos industriais no ano passado.

O levantamento destaca que o Paraná Competitivo, coordenado pela Invest Paraná em parceria com a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), tem se consolidado como uma ferramenta eficaz na atração de investimentos no Estado. De acordo com a análise do Ipardes, os incentivos fiscais oferecidos têm obtido bons resultados ao angariar e manter empresas no Paraná, além de promover crescimento econômico e gerar empregos.

Eduardo Bekin, diretor-presidente da Invest Paraná, ressaltou a importância do estudo, destacando que os ganhos econômicos resultantes podem transformar realidades regionais. “Este governo tem priorizado investimentos, especialmente no Interior do Estado. A análise mostra que estamos impactando positivamente os municípios, com empregabilidade e elevação da renda média”, diz.

O impacto no mercado de trabalho paranaense, gerado a partir destes investimentos em unidades fabris, é significativo, com a criação de 16.433 novas ocupações formais e informais. A remuneração média nos novos postos de trabalho é de R$ 4.384 mensais, cifra que supera a média salarial do Estado, de R$ 3.246 por mês.

O maior número de empregos tem outra consequência favorável: um crescimento de R$ 864,5 milhões na massa anual de salários. Segundo Jorge Callado, diretor-presidente do Ipardes, o estudo demonstra que os retornos socioeconômicos, traduzidos em ganhos de bem-estar para a população paranaense, não são produzidos apenas pelas empresas que receberam os benefícios, mas estendem-se inclusive a outras empresas que integram a cadeia.

“O estudo apresenta tanto os impactos diretos quanto os indiretos, exibindo os desdobramentos socioeconômicos de maneira ampla”, afirma o diretor-presidente do Ipardes.

Em termos de arrecadação, o estudo prevê um incremento de R$ 864,64 milhões anuais no Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do Paraná. Os setores de Bebidas, Fumo, Produtos de Limpeza, Perfumaria, Farmoquímicos e Farmacêuticos são os principais contribuintes para esse aumento.

O secretário da Fazenda, Norberto Ortigara, diz que a análise demonstra a eficácia dos incentivos em fortalecer a base econômica do Estado. “Os resultados do estudo do Ipardes demonstram o impacto significativo e abrangente do Programa Paraná Competitivo na economia do Estado. Ele evidencia o sucesso de políticas voltadas à atração e manutenção de investimentos e à geração de emprego e renda para a população paranaense”, frisa.

Nova categoria

O Programa Paraná Competitivo foi ampliado recentemente para incluir uma nova categoria de incentivos destinada à industrialização de produtos eletroeletrônicos, de telecomunicações e de informática.

Através de uma parceria entre a Invest Paraná e as secretarias estaduais da Inovação, Modernização e Transformação Digital e da Fazenda, são oferecidas vantagens como o diferimento do ICMS nas importações de componentes, crédito presumido de 80% do valor do ICMS na venda dos produtos industrializados e a possibilidade de reverter 100% do valor investido na instalação ou expansão da planta fabril em crédito para pagamento de ICMS.

Para participar, as empresas devem incorporar softwares desenvolvidos no Brasil, preferencialmente no Paraná, e expandir ou instalar unidades fabris em um dos 49 municípios que possuam institutos ou universidades estaduais ou federais. Detalhes completos sobre a nova categoria estão disponíveis na cartilha do Paraná Competitivo, a partir da página 21.

Gustavo Cejas, diretor de Mercado e Novos Negócios da Invest Paraná, diz que o programa Paraná Competitivo não apenas atrai novos investimentos, mas também incentiva a expansão e diversificação das indústrias já estabelecidas no Estado. Ele explica que a ferramenta é usada para encorajar os empresários a investir de formas diferentes, além de seu negócio principal.

“O Paraná Competitivo oferece modalidades que incluem implantação, diversificação e ampliação de unidades fabris. Este apoio próximo ao setor produtivo, por meio de benefícios fiscais e relacionamento contínuo, encoraja os empresários a ampliar suas operações”, explica.

Crédito da foto: Rodrigo Felix Leal

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *