Inteligência Artificial revoluciona mercado financeiro

Inteligência Artificial revoluciona mercado financeiro

Conheça 8 inteligências artificiais indispensáveis para fintechs

Impulsionado pela crescente demanda por serviços financeiros digitais e pela adoção contínua de tecnologias disruptivas, o número de fintechs tem crescido consideravelmente nos últimos anos. Não à toa, esse mercado já soma cerca de 1.500 bancos digitais e mais de 250 milhões de contas abertas no Brasil, além de gerar mais de 100 mil empregos no setor, de acordo com dados da Associação Brasileira de Fintechs (ABFIntechs).

Além dos especialistas no mercado financeiro, as fintechs contam ainda com diversos profissionais da área de tecnologia, como aqueles que atuam com engenharia de software, finanças, customer success (sucesso do cliente), gestão de negócios e, até mesmo, com compliance.

Segundo Fabrício Carraro, Program Manager da Alura, maior ecossistema de educação em tecnologia, esse contexto dinâmico das fintechs exige que as empresas promovam uma maior inovação para atrair a atenção dos clientes e driblar a concorrência. “A inteligência artificial (IA) surge como uma ferramenta fundamental para as fintechs que buscam se destacar em seu segmento, oferecendo serviços de forma personalizada e ainda mais inovadora. A integração com a IA irá elevar essa capacidade ao próximo nível”, diz.

Para ajudar as empresas do setor a alcançarem esse objetivo, listamos 8 áreas em que a inteligência artificial pode beneficiar o mercado financeiro. Confira:

  1. Detecção de Fraudes: Sistemas de IA podem analisar padrões de transações e comportamentos dos usuários para identificar atividades suspeitas e prevenir fraudes.
  2. Avaliação de Risco de Crédito: Algoritmos de IA podem analisar dados financeiros e não financeiros para avaliar o risco de crédito de indivíduos ou empresas, ajudando a automatizar o processo de concessão de empréstimos.
  3. Assistência ao Cliente: Chatbots alimentados por IA podem fornecer suporte ao cliente 24 horas por dia, 7 dias por semana, respondendo a perguntas comuns, solucionando problemas e até mesmo realizando transações simples.
  4. Personalização de Ofertas: Sistemas de recomendação baseados em IA podem analisar o comportamento do usuário e seus dados financeiros para oferecer produtos e serviços personalizados, como sugestões de investimento ou ofertas de crédito.
  5. Análise de Sentimento do Mercado: Algoritmos de IA podem analisar grandes volumes de dados de mídia social, notícias e outros canais para entender o sentimento do mercado e prever tendências financeiras.
  6. Gestão de Risco: Modelos de IA podem ajudar a identificar e mitigar riscos financeiros, como risco de mercado, risco de liquidez e risco operacional, permitindo uma gestão mais eficaz dos ativos da fintech.
  7. Automatização de Processos: IA pode ser usada para automatizar uma variedade de processos, desde a abertura de contas até a reconciliação de transações, reduzindo custos operacionais e melhorando a eficiência. A Automação Robótica de Processos (RPA), por exemplo, é uma ferramenta estratégica para processos de backoffice financeiro como faturamento, tesouraria e até contabilidade.
  8. Análise Preditiva: Modelos de IA podem ser usados para prever o comportamento futuro dos mercados financeiros, o que pode ajudar as fintechs a tomar decisões de investimento mais informadas.

Olhando para cada uma dessas tecnologias, Bruno Klassmann, CFO da Alura, conclui: “As ferramentas de automação e IA têm o poder de impulsionar todas as fases do desenvolvimento empresarial. Podendo ser aplicadas em diversos setores do negócio, esses recursos têm o potencial para transformar o mercado financeiro não só no sentido de eficiência, mas também de forma que as fintechs ofereçam experiências incomparáveis aos clientes e soluções financeiras únicas em uma velocidade sem precedentes”, finaliza.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *