You are here
Home > Comércio Exterior > Movimentação no Porto de Antonina cresce 75% no primeiro semestre

Movimentação no Porto de Antonina cresce 75% no primeiro semestre

Porto de Antonina-3Nos primeiros seis meses deste ano, o Porto de Antonina já recebeu 50 navios. No mesmo período, em 2012, foram apenas 21. Movimento maior de embarcações representa maior movimentação de carga que, somada à melhora na produtividade, resultou em um aumento de 75% nas movimentações. De janeiro a junho foram 758,1 mil toneladas. No ano passado, foram pouco mais de 433 mil toneladas. Segundo o superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Luiz Henrique Dividino, o aumento na quantidade de navios recebidos está diretamente relacionado à dragagem.

“A dragagem de manutenção dos pontos críticos do acesso ao Porto de Antonina retirou aproximadamente um milhão de metros cúbicos de sedimentos, ampliando a profundidade no local – que está superior a 8 metros. Há 15 anos o Porto de Antonina não recebia uma dragagem”, explica Dividino. Ao todo, a Appa investiu R$ 37 milhões em recursos próprios para a realização da obra.

“Com esta obra, o objetivo da Appa e do governo do Paraná é melhorar consideravelmente as condições de navegação em Antonina. A reativação de Antonina no Governo Beto Richa abriu uma nova alternativa de descarga de fertilizantes no Paraná, permitindo a redução dos custos das filas de espera que era repassada diretamente ao produtor agrícola. Em números, com base nos registros do Sindicato das Industrias de Adubos (Sindiadubos), a operação em Antonina reduziu em mais de 14 dias a espera para atracação no Porto de Paranaguá, o que significa, no momento de maior movimento, uma economia na ordem de US$ 8 por tonelada que antes eram adicionadas ao preço dos fertilizantes por conta da sobreestadia dos navios”, completa o superintendente.

No primeiro semestre de 2013, o Porto de Antonina importou fertilizantes e exportou açúcar. Foram 23 mil de açúcar e mais de 735,1 mil toneladas de fertilizante. O açúcar teve como destino o Porto de Tema, em Gana. Já o fertilizante veio da China, Noruega, Marrocos, Venezuela, Lituânia, Finlândia, Togo, Catar, Estônia, Estados Unidos, Letônia, Holanda, Rússia e Ucrânia. De acordo com o diretor comercial da Ponta do Félix, operadora portuária que atua no Porto de Antonina, Cícero Simião, o número reduzido de navios recebidos em 2012 se explica pela redução no calado – fator que, segundo ele, já foi reestabelecido. Sobre o aumento na movimentação, ele explica que a organização foi fator primordial.

“O mérito não é apenas da empresa, mas também da Administração do Porto. A organização de um Pátio de Triagem em Antonina, a exemplo do que existe em Paranaguá, para acabar com a fila de caminhões, deu mais agilidade ao processo. Internamente, podemos destacar melhorias nos procedimentos,  a boa análise operacional e o posicionamento estratégico. Melhoramos a eficiência, aplicamos mudanças assertivas na recepção dos navios. Tudo isso contribuiu para melhorar o desempenho do terminal”, afirma.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top