You are here
Home > Empreendedorismo > Crescimento do número de diabéticos, celíacos e hipertensos favorece mercado de produtos especializados

Crescimento do número de diabéticos, celíacos e hipertensos favorece mercado de produtos especializados

Com R$ 50 mil é possível abrir uma pequena loja especializada em produtos para diabéticos e celíacos.

O mercado de produtos para diabéticos, celíacos e hipertensos é amplo e está em franco crescimento. E não é para menos, já que 31% da população brasileira, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) possuem algum tipo de doença crônica, como, por exemplo, hipertensão e diabetes. No caso dos celíacos, um em cada mil pessoas sofre desse mal, o que representa nada menos do que 200 mil brasileiros. Já os hipertensos com mais de 40 anos totalizam no País 20 milhões de pessoas.

Neste sentido, com o objetivo de proporcionar maior comodidade ao dia-a-dia dessa parcela da população, surgiram nos últimos anos, as lojas especializadas na oferta de diversos produtos e serviços para diabéticos, celíacos e também para hipertensos. A ideia principal deste tipo de negócio é oferecer conveniência a essas pessoas, que enfrentam muita dificuldade para encontrar alimentos saborosos e produtos adequados às suas condições de saúde. No entanto, o sucesso do negócio não reside apenas na disponibilização de produtos especializados, mas também na oferta de um atendimento personalizado que auxilie o cliente a encontrar uma solução satisfatória para o seu desconforto.

Já a localização de uma loja de produtos para diabéticos, celíacos e hipertensos é fundamental para o sucesso do negócio. O ponto comercial deve estar localizado próximo a hospitais, clínicas e consultórios médicos, que se configuram como os seus parceiros naturais. É importante ressaltar que a conquista da confiança e a credibilidade dos profissionais da saúde é essencial para o bom desenvolvimento do projeto e fidelização desta clientela. Inicialmente, a melhor alternativa é procurar um imóvel apropriado para alugar, onde além da área disponível para a disponibilização dos produtos, tenha ainda condições de ajustes para atender as normas da vigilância sanitária.

Quanto ao investimento, ele vai variar de acordo com o porte do empreendimento. De acordo com cálculos dos consultores do Sebrae para uma pequena loja em imóvel alugado são necessários R$ 50 mil.

Por último, o empresário deve procurar ajuda de um profissional para a contratação e seleção de pessoas que irão trabalhar, para evitar dores de cabeça no futuro.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top