You are here
Home > Finanças > Baixa dos juros Selic traz nova realidade para investidores

Baixa dos juros Selic traz nova realidade para investidores

As novas diretrizes econômicas do Brasil estão fazendo a economia viver com uma realidade totalmente inimaginável há poucos anos, juros Selic baixos. Pois, ocorre que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central vem anunciando sucessivos cortes da taxa Selic de 6% para 5,5% ao ano, depois para 5% e agora a taxa chegou em 4,25%, a menor taxa da história.

A mudança gera impactos positivos, como o incentivo ao consumo, e outros nem tanto, como pode ocorrer nos investimentos, com a queda da rentabilidade de grande parte dos investimentos. Ocorre que os investimentos em renda fixa têm seus rendimentos atrelados à Selic, logo todos passarão a render menos – com destaque negativo para a poupança.

E agora, onde investir? Com a mudança, o momento é de análise aprofundada, pois investir apenas na linha que aparentemente tem a maior rentabilidade pode ser uma armadilha, levando até mesmo a prejuízos.

“Por mais que os números apontem investimentos a princípio mais vantajosos, vários fatores devem ser avaliados, como impostos e taxas, e o principal critério deve ser o prazo para a realização do sonho: curto, médio ou longo”, avalia Carollyne Mariano, sócia da Redoma Invest.

Veja os principais pontos levantados sobre o tema pela especialista em investimentos, Carollyne Mariano:

Impacto nos investimentos – a grande maioria dos investimentos possuem um benchmark, que é uma espécie de referência de mercado. O nosso benchmark mais comum é o CDI – certificado de depósito bancário – que é uma taxa muito próxima da Selic. A Selic, por sua vez, caiu para o menor patamar da história, portanto todas as aplicações atreladas a ela passam a render, nominalmente, menos.

Alternativas – em tempos de juros baixos, conseguir remunerar o seu capital em ativos com baixo risco se torna uma tarefa cada vez mais difícil. A alternativa que temos é arrojar e buscar produtos mais sofisticados para conseguir aumentar a rentabilidade.

Impacto na rentabilidade – imagine que você tenha um fundo de investimento em renda fixa, que renda 100% do CDI. O CDI no mês de agosto foi 0,50%, portanto, uma aplicação que rendeu 100% do CDI, rendeu 0,50% no mês. Já no mês de setembro, o CDI foi 0,46%, ou seja, a mesma aplicação rendendo 100% do CDI, no mês de setembro, rendeu 0,46%.

Hora das ações – investir em ações passa a ser um ativo cada vez mais interessante e, diga-se de passagem, investimento em ações é um tipo de investimento muito comum na Europa e nos Estados Unidos, mas por aqui ainda temos um grande caminho a percorrer para desmistificar esse tipo de investimento. Portanto, investir em ativos mais arrojados será necessário para que o investidor consiga melhorar seus rendimentos.

Expectativas – há quem diga que o cenário de juros baixos veio para ficar. No limite, um país com juros baixos é um país com mais emprego, (ou deveria ser), com menos empresários “vivendo de renda” e mais empresários contratando, indo para a economia real. Até pouco tempo tínhamos um dos maiores juros real do mundo (juro real é a taxa básica de juros descontada a inflação), com as reformas caminhando e o país entrando nos eixos, tudo leva a crer que o ganho, muito comum a todos os brasileiros, de 1% ao mês, ficou para trás.
Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top