You are here
Home > Finanças > Fundo seleciona empresas para investir R$ 75 milhões

Fundo seleciona empresas para investir R$ 75 milhões

Enquanto boa parte do mercado está apreensiva para fazer novos negócios, há quem encare o momento atual como uma ótima oportunidade para encontrar empresas com soluções inovadoras e grande potencial de crescimento. É o caso da Caravela Capital, fundo de venture capital com foco em empresas tecnológicas early stage (em estágio inicial).

Mesmo durante a crise, o fundo segue em busca de startups de todo o país que ofereçam soluções com base na tecnologia e que estejam inseridas em grandes mercados (mercados que movimentam mais de US$1 bilhão/ano). Além disso, os modelos de negócio devem apresentar alto potencial de escalabilidade, o que faz com que as scale-ups (empresas que sustentam um rápido crescimento por um longo período de tempo e de forma escalonada) também estejam no radar da venture.

“Não faz sentido pararmos de procurar empresas justo agora. Em períodos de instabilidade, característicos de momentos de crise, os empreendedores tendem a ficar mais criativos, desenvolvendo novas ideias e soluções para problemas que, antes, não faziam parte da jogada”, afirma Lucas de Lima, cofundador do fundo.

Para a Caravela Capital, empreendedores que conseguirem encarar esse período de incertezas estarão provando que conseguem passar por qualquer problema futuro. “Vai ser muito interessante acompanhar como as empresas vão enfrentar esse momento. Ser resiliente é uma característica importante que buscamos em nossas investidas”, diz Mario Delara, cofundador da venture.

Prioridades

Apesar de não ter preferência por nenhum segmento específico, o fundo dá prioridade para soluções nas áreas de saúde, educação, mobilidade, agronegócio e logística, segmentos de alta demanda que ainda oferecem grandes desafios aos brasileiros.

As soluções oferecidas podem ser tanto para empresas (business-to-business) quanto voltadas para o consumo (business-to-consumer), mas para receber investimentos do fundo é necessário cumprir alguns requisitos como oferecer produtos disruptivos capazes de atender demandas relevantes; potencial de inovar o segmento de atuação e ser líder de mercado; ter à frente da empresa fundadores excepcionais e líderes natos.

Valores investidos

Os cheques variam entre R$1 milhão a R$3 milhões, sendo que o processo de análise até a confirmação do investimento pode levar até 60 dias. “Durante esse período, estudamos o tamanho do mercado, o time, como o mercado encara a solução que a startup oferece, quanto de dinheiro a empresa precisa e como vai aplicá-lo, onde ela quer chegar com essa rodada, entre outros detalhes”, explica Lima.

Com um fundo captado de R$75 milhões, a Caravela Capital tem uma abordagem hands on, ou seja, se mantém próxima dos empreendedores no desenvolvimento de estratégias e solução de problemas, presente durante todos os desafios de crescimento da startup. Além disso, o fundo de venture capital conta com um time de mentores que também estão comprometidos financeiramente com as investidas, garantindo que o interesse de todos estejam realmente alinhados com as expectativas de crescimento.

“Essa metodologia dá mais confiança ao empreendedor que conta com o apoio de mentores altamente qualificados e que também são investidores do fundo. Isso garante que todos estejam focados em garantir o crescimento e sucesso da startup”, garante Delara.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top