You are here
Home > Trabalho/Emprego > 5 dicas para melhorar o home office dos colaboradores

5 dicas para melhorar o home office dos colaboradores

A forma como as empresas têm se relacionado com a jornada de trabalho dos colaboradores vem passando por muitas adaptações. A chegada do coronavírus em 2020 mostrou que, não só o home-office pode ser uma alternativa válida, como o modelo de trabalho tem ganhado as graças e veio para ficar. Pesquisas realizadas pela EDC Group também apontaram que mais de 60% das pessoas entrevistadas afirmaram que sua primeira experiência com o home-office se deu por conta da pandemia

Além disso, de acordo com um relatório realizado pela Cushman & Wakefield, mais de 70% das empresas respondentes afirmaram que pretendem manter o trabalho remoto mesmo após a pandemia. Para Pedro Iglesias, sócio e business development manager da Team Upp , consultoria especializada em bem-estar dos colaboradores acelerada pela Tapps Ventures , enquanto em um primeiro momento a prática foi adotada de maneira excepcional e como forma de emergência, hoje, mais do que nunca, é hora de as empresas mudarem suas estratégias e estruturar um bom plano para os colaboradores.

“No último ano, o home-office foi implementado às pressas como uma maneira de manter a engrenagem rodando, o que, na época, foi perfeitamente normal e aceitável, pois tudo ainda era muito incerto e novo para todos. Contudo, mais de um ano depois e com diversas companhias afirmando que seguirão com este modelo de trabalho definitivamente, é hora de recalcular a rota e pensar com mais cuidado nas medidas necessárias para manter os colaboradores amparados e mais motivados”, comenta Iglesias.

Logo, encontrar formas de equilibrar a rotina pessoal com a do trabalho e tornar a jornada dos colaboradores a mais saudável e produtiva possível pode ser um grande desafio. Para ajudar nesta missão, o sócio da Team Upp elencou algumas dicas de como estruturar bem o trabalho remoto daqui para frente. Confira!

Aposte em novos benefícios

Diante da nova realidade, em que a vida pessoal parece se convergir com o trabalho, outras necessidades e a cartela de benefícios têm ficado sob os holofotes neste momento. Pensando nisso, porque não investir em proporcionar mais qualidade de vida e bem-estar aos colaboradores? Dentre as possibilidades, parcerias com plataformas de atendimento psicoterápico, programas integrados de bem-estar e qualidade de vida, bem como ajuda de custo para as despesas com luz e internet podem ser alternativas estimulantes e mostram que a companhia preza pelos funcionários.

Gestão de Comunidades passar a ser essencial na Comunicação Interna

Não é novidade que empresas com uma boa Comunicação Interna são capazes de estreitar melhor seu relacionamento com os colaboradores. Contudo, quando falamos de trabalho remoto, esta área ganha ainda mais importância, uma vez que o tête-à-tête não faz mais parte da realidade. Por isso, agregar à Comunicação Interna um senso de comunidade – também conhecido como Community Management – tem se provado cada vez mais eficaz em empresas, uma vez que além de promover o senso de pertencimento, potencializa a comunicação interna a cultura e os valores da empresa, auxiliando a quebrar as barreiras físicas que o home-office pode criar.

Promova encontros presenciais esporadicamente

Pensando em um contexto em que o distanciamento social não será mais uma regra, o calor humano também é necessário para estreitar laços e promover bons momentos de sinergia entre os times. Por isso, ainda que o modelo de trabalho escolhido daqui para frente seja 100% digital, realizar reuniões e eventos presencialmente, pode ser o respiro e o gás necessários para manter os colaboradores mais engajados e para tirá-los da rotina.

Invista em treinamentos gamificados

Conhecida por aplicar elementos de jogos como designs diferenciados, feedbacks constantes e barras de progresso em atividades cotidianas, a gamificação, que já tinha um grande apelo dentro das empresas, passa a se tornar essencial, uma vez que, à distância, fica cada mais difícil engajar os colaboradores. Isso porque o método é capaz de transformar conteúdos densos e com pouco apelo emocional em uma prática mais divertida, auxiliando na produtividade e na retenção dos aprendizados.

Forneça a infraestrutura necessária para o trabalho

Em um trabalho presencial quando os colaboradores chegam para realizar suas atividades, eles recebem um kit de boas-vindas e têm à disposição computadores e, em alguns casos, celulares corporativos. Então, por que imaginar que só porque os funcionários estão de casa que essa prática deve ser banida? Por isso, fica a dica: nada de fazê-los arcar com custos que não deveriam ser deles! O notebook deve ser o da empresa e, a prática de mimos para fazê-los sentir-se queridos e importantes faz toda a diferença.
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top