You are here
Home > Negócios > Custos elevados impedem empreendedores de entrar no comércio eletrônico

Custos elevados impedem empreendedores de entrar no comércio eletrônico

O confinamento e a pandemia obrigaram os consumidores até então resistentes a experimentar as compras no ambiente online. Cerca de 15 milhões de brasileiros estão entre os que estrearam no consumo virtual. E a perspectiva é de que esse hábito esteja cada vez mais arraigado no cotidiano das pessoas no período após a pandemia.

Por isso, estar no e-commerce deixou de ser opção para se tornar essencial para a sobrevivência das empresas. Porém, nem todos os empreendedores têm condições financeiras para investir em desenvolvedor de software, profissional cujo salário está cada vez mais inflacionado, designer, conteudista, além de gestão de estoque, logística de entrega e marketing digital.

O alerta é da especialista Renata Elmor, fundadora da Bsales, empresa que funda a denominação comercial digital. Para ela, os empresários precisam de soluções customizadas para enfrentar essa problemática. “Noto que muitos pequenos e médios empreendimentos ficam à margem do ecommerce devido aos investimentos elevados para colocar uma loja virtual no ar, além do tempo dispendido, que pode chegar a dois anos”, afirma.

Loja virtual em dez dias úteis

Renata aponta que o empreendedor não tem recursos suficientes nem tempo disponível. Diante desse desafio, criou-se uma solução capaz de colocar uma loja virtual em até dez dias úteis. “Criamos o domínio para o cliente, configuramos a loja virtual em plataforma pronta já com meio de pagamento, inserimos no mínimo 50 produtos, treinamos a equipe para subir produtos na loja virtual, bem como programação de controle de estoque e logística para envio, além de suporte por 12 meses”, enumera.

Com essa estrutura, a Bsales consegue colocar no ar uma loja virtual no menor tempo possível, já que muitos empresários precisam correr atrás do prejuízo. Fazer parte do ecossistema de vendas online traz maiores possibilidades de vendas recorrentes e, para isso, a Bsales também faz as primeiras promoções para o empresário começar a gerar receita.

Comercial digital: a era dos novos vendedores

Aliado a isso, Renata Elmor afirma ser necessário investir no que ela intitula comercial digital, capacitando vendedores a compreender a jornada de compras do cliente, saber tratar o cliente conforme cada estágio em que se encontra, e fazer abordagens sequenciais para concluir a venda de forma efetiva. “Não se pode mais conceber que as áreas de marketing e vendas tenham ações divergentes quando atuam para um mesmo fim: resultados. Por isso que surge o comercial digital, unindo marketing digital e setor comercial. Juntos, o potencial é muito maior”, afirma.

Por isso, a Bsales dispõe de soluções para criar receitas recorrentes por meio de estratégias que unem marketing digital e área de vendas. “A empresa não precisa entender nada de marketing digital ou, tendo equipe de marketing, não é necessário nenhum investimento na estrutura que demanda a implementação da Máquina de Vendas”, informa Renata Elmor. São investimentos elevados que não precisam ser feitos pela empresa, mas entregues pela Bsales. Isso inclui ferramentas de inbound marketing, setup de ferramentas, otimização dos e-mails, planejamento de mídia e sua otimização, design e texto para anúncios, landing pages, criação de material rico, entre outros. A solução entrega prontos os leads qualificados ao comercial, além de treinar os novos vendedores digitais.

A Máquina de Vendas está apoiada no conceito de receitas previsíveis, que tem como objetivo aumentar o volume de clientes com potencial interesse pelo seu negócio. A primeira medida é gerar tráfego para a empresa, aumentando o conhecimento da marca e atraindo potenciais clientes. As etapas são formadas por tráfego, atração, nutrição, conversão e performance. Em cada uma delas, equipes de designer, redatores, especialistas em mídia, inbound marketing, performance e marketing digital estão envolvidas diretamente para o sucesso do processo. “Com essa integração entre loja virtual, vendas e marketing, a empresa consegue otimizar os resultados e os lucros”, finaliza.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top