You are here
Home > Trabalho/Emprego > Hackathon interno é empregado como ferramenta para a alfabetização em dados dos colaboradores

Hackathon interno é empregado como ferramenta para a alfabetização em dados dos colaboradores

O setor de tecnologia da informação enfrenta sérios problemas para recrutar funcionários qualificados. O relatório da Brasscom – Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação e de Tecnologias Digitais, divulgado em 2019, estima que as empresas de tecnologia demandem 797 mil talentos de 2021 a 2025. No entanto, o número de formandos anuais está abaixo da demanda. Por isso, o déficit anual estimado é de 106 mil talentos por ano.

Quando se analisa por segmento setorial, de acordo com uma pesquisa da hrtech Intera, a abertura de vagas para profissionais de dados no Brasil cresceu quase 500% no primeiro semestre de 2021 em relação ao ano anterior. Frente à escassez de profissionais e a alta demanda, as empresas estão precisando urgentemente investir na formação e qualificação de seus colaboradores, ou seja, promove a alfabetização em dados (data literacy).

Alessandra Domingues, Diretora Educacional do GRUPO IN, do qual fazem parte as empresas Academia IN e a A10 School, explica que uma das ferramentas para promover a formação do time em análise de dados é a realização de um hackathon interno e com a metodologia hands on, com as pessoas aprendendo na prática.

Participamos de um hackathon, realizado recentemente pela LEROY MERLIN, no qual a rede de lojas contou com o envolvimento de 150 Colaboradores  de 49 localidades e 72 funções diferentes – organizados em 24 equipes. Este grupo recebeu 8 horas de treinamento intensivo e 16 horas de trabalho para solução dos desafios. Foi muito produtivo e com forte engajamento. Além de analisar os trabalhos, os nossos profissionais deram mentoria aos Colaboradores”, explica Alessandra.

Os grupos de Colaboradores LEROY MERLIN trabalharam com uma base de dados real e tiveram como desafio de negócios identificar o período de menos vendas, listar os motivos que justificassem o cenário e propor uma solução para o problema. A ferramenta oficial utilizada foi o Qlik Sense, capaz de combinar os dados para criar análises visuais interativas em ambiente de nuvem seguro. Além dos profissionais da Academia IN e da A10 School, a atividade contou com representantes de outros fornecedores de TI.

Diferentes perspectivas para um mesmo problema

Um dos pontos fortes do hackathon é a oportunidade de unir pessoas de várias áreas da empresa, que trazem diferentes perspectivas de resolução. “Uma das principais dificuldades dos funcionários é a de tomar alguma decisão baseada em dados. Nossa meta é consolidar conhecimento e experiência para que, por meio dos dados, eles possam realizar uma interpretação adequada, tomar decisões e gerar insights”, completa Alessandra.

Na opinião da executiva, se as empresas de qualquer tamanho fizessem grupos para exercícios como estes, é possível se construir uma cultura de análises de dados e promover o crescimento contínuo da alfabetização em dados.

Este tipo de hackathon proporciona integração do time, intercâmbio de vivências, “atividade mão na massa” e muito mais segurança às pessoas na hora de analisar os dados.

Para a LEROY MERLIN, o hackathon Talento de Dados foi um sucesso. “Formamos as equipes, trabalhamos e exercitamos a capacidade analítica dos times que foram desafiados a construir algo no qual não possuíam nenhuma experiência. Todo movimento teve como grande objetivo disseminar a cultura de dados de um modo inovador, gerando uma competição saudável para toda a empresa”, finaliza Rafael Attux, Data Architect Lead da empresa. Os vencedores ganharam como prêmio um bootcamp em Análise de Dados, com duração de 03 meses, no qual irão aprender as melhores práticas e como construir os desafios com dados do dia a dia, ministrado pela Academia IN e a A10 School.

Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe um comentário

Top