JBS fecha parceria com a UFSC para impulsionar pesquisas sobre proteína cultivada no Brasil

JBS fecha parceria com a UFSC para impulsionar  pesquisas sobre proteína cultivada no Brasil
Gilberto Tomazoni, CEO Global da JBS, e Irineu Manoel de Souza, reitor da UFSC.

Acordo abre caminho para formação de uma rede de colaboração com instituições de ensino público e privadas no país

A JBS assinou na manhã desta segunda-feira (20), um memorando de entendimento com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) para cooperação mútua em estudos e pesquisas sobre proteína cultivada no Brasil. A parceria com a instituição se dará por meio do JBS Biotech Innovation Center, primeiro Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em proteína cultivada do país, abrindo caminho para a criação de uma rede de colaboração com instituições científicas e universidades públicas e privadas para acelerar o avanço da indústria nacional no setor.

O acordo com a UFSC é o primeiro de muitos que o JBS Biotech Innovation Center prepara, e prevê a cessão de suas instalações para a execução dos trabalhos científicos. “Uma vez que a tecnologia da proteína cultivada tem se provado relevante para o mundo, a JBS não poderia deixar de estar na vanguarda. O acordo com a UFSC é fundamental. Estamos felizes com esta oportunidade de cooperar com iniciativas público-privadas como esta. Todo mundo ganha e geramos conhecimento. É importante para a JBS e um orgulho para nós firmarmos uma parceria com uma universidade tão renomada”, afirmou o CEO Global da JBS, Gilberto Tomazoni, durante a cerimônia de assinatura do acordo.

“Juntamente com a JBS vamos produzir pesquisas, pensando na qualidade de vida das pessoas e no desenvolvimento Científico e tecnológico para toda a população”, disse o reitor da UFSC, Irineu Manoel de Souza. Pensando mais à frente, ele ainda ressaltou como a parceria poderá agregar na atualização da universidade – “Um protocolo dessa natureza pode acrescentar com propostas e mudanças nas disciplinas dos cursos, começando por uma disciplina optativa e depois até gerar atualizações no currículo de toda a universidade”.

Anunciado para o mercado em 2021, o Centro de Pesquisas de proteína cultivada da JBS se tornará a maior instituição privada de pesquisa em biotecnologia dos alimentos do Brasil. Com obras aceleradas, e previsão de entrega para 2024, o JBS Biotech Innovation Center tem funcionado em um endereço temporário no mesmo condomínio empresarial que abrigará sua sede, o Sapiens Parque, em Florianópolis.

Ao todo, o projeto do JBS Biotech Innovation Center receberá aproximadamente US$ 62 milhões de investimentos distribuídos em três etapas: de obras civis e implantação dos laboratórios (fase 1), instalação da planta-piloto (fase 2) e ações de longo prazo, como a construção de um módulo básico em escala industrial para demonstração da viabilidade técnico-econômica da proteína cultivada ao mercado. Esse projeto servirá de modelo para mais plantas que a JBS vier a construir pelo mundo para o processamento de proteína cultivada bovina e de outras espécies.

“Hoje a Europa como um todo, além dos Estados Unidos, a China e Israel já estão na vanguarda. E nós, no Brasil, também queremos chegar lá. Esse é um dos objetivos do acordo com a UFSC: acelerar os processos e criar condições para que o país possa estar na frente também, encurtando espaços e ganhando tempo com acordos futuros a fim de termos uma tecnologia totalmente brasileira competindo com outros países pelo mundo”, acrescentou Tomazoni.

Assim que finalizado, o JBS Biotech Innovation Center em Florianópolis passará a contar com uma equipe científica de 25 pós-doutores, especialistas em diversas áreas, além de staff e equipe de apoio administrativo. Os trabalhos no Brasil são coordenados pelo presidente do Centro de Pesquisa, Luismar Porto, e a vice-presidente, Fernanda Vieira Berti. Ambos são especialistas em bioengenharia, com ampla experiência profissional e acadêmica internacional.

Além do projeto em Florianópolis, a JBS, uma das maiores indústrias de alimentos do mundo, vem desenvolvendo pesquisas em proteína cultivada na Espanha. A companhia é acionista controladora, com 51% de participação, da Biotech Foods, empresa espanhola que é uma das líderes europeias no setor e que opera atualmente uma planta-piloto em San Sebastián.

Quando estiver em fase comercial, a proteína cultivada a ser processada pela JBS deve chegar aos consumidores na forma de alimentos preparados, como hambúrgueres e almôndegas, entre outros, com a mesma qualidade, sabor e textura da proteína tradicional. Os investimentos na tecnologia apontam potencial não apenas para a produção de proteína bovina, mas também de frangos, suínos e pescados.

Mirian Gasparin

Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 50 anos na área de jornalismo, sendo 48 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 16 anos de blog, mais de 35 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 20 prêmios, com destaque para o VII Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º e 3º lugar na categoria webjornalismo em 2023); Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *