You are here
Home > Consumo > Prazer ou impulso incontrolável? Teste aponta quando as compras se tornam um problema

Prazer ou impulso incontrolável? Teste aponta quando as compras se tornam um problema

compras por impulsoSegundo os economistas da Serasa Experian, a falta de planejamento, a compra impensada e o descontrole financeiro levam algumas pessoas a gastarem mais do que ganham. Por exemplo, na sua hora de almoço, você decidiu dar uma volta ao shopping. O resultado foi algumas sacolas e comprovantes de cartão de crédito. Mas será que você realmente precisava desses produtos? Você comprou rapidamente, cedendo à pressão do vendedor ou pensou duas vezes antes de pagar? Essas e outras questões fazem parte de um teste elaborado pelos coordenadores do grupo de compradores compulsivos do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

“É fundamental fazer uma reflexão sobre o nosso comportamento de consumo, se o produto é realmente necessário e se o valor dele cabe no nosso orçamento. Se planejar, colocando todas as contas na ponta do lápis, até mesmo o cafezinho do dia a dia. Também é importante envolver toda a família na definição das prioridades do ano, inclusive ser transparente quando for necessário o corte de gastos”, orienta a Superintendente de Serviços ao Consumidor, Maria Zanforlin.

Para a psicóloga, coordenadora do grupo de tratamento a compradores compulsivos do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo e presidente da ONG Associação Viver Bem e uma das responsáveis pelo teste, Tatiana Zambrano Filomensky, este não é um diagnóstico da doença oniomania, patologia que caracteriza o ato compulsivo de comprar, mas dá indícios para que o consumidor faça uma autoanálise sobre o seu comportamento de consumo

Entre outros pontos, o teste apresenta os sete passos da compra normal, levando o entrevistado a avaliar se eles foram seguidos antes da compra ser efetivada:
1. Avaliou a real necessidade?
2. Avaliou suas possibilidades financeiras?
3. Fez pesquisa de preço e condições de pagamento?
4. Pediu a opinião de outras pessoas?
5. Negociou ou pechinchou?
6. Deu um tempo a si mesmo para pensar?
7. Comprou apenas o que estava programado?

Estimativas baseadas em estudos clínicos apontam que 5% da população brasileira sofra de oniomania. Segundo a psicóloga, esta doença está inserida no grupo dos transtornos do impulso, no qual também se enquadram os jogadores patológicos, os dependentes de internet e pessoas que sofrem de amor patológico. “A doença é desencadeada por questões emocionais percebidas pelo indivíduo como negativas ou frustrantes, que busca através da compra o alívio para essas emoções, uma sensação de bem-estar. Mas o prazer conquistado com a compra é momentâneo e dá lugar à vergonha e à culpa, principalmente quando o comprador compulsivo contabiliza prejuízos financeiros, pessoais e de relacionamento provocados pelo descontrole”, afirma Filomensky. “O transtorno do comprar compulsivo tem tratamento”, reitera.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top