You are here
Home > Tributação > Últimos dias para declarar o Imposto de Renda. Especialista ajuda a esclarecer dúvidas

Últimos dias para declarar o Imposto de Renda. Especialista ajuda a esclarecer dúvidas

O calendário para declaração do imposto de renda está quase chegando ao fim, sendo que, neste ano, é obrigada a declarar a pessoa física que recebeu rendimentos tributáveis superior a R$28.559,70; recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, superior a R$40.000 ou que obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos ou realizou operações em bolsa de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas.

O que, na teoria pode parecer fácil, na prática pode não ser. As dúvidas aparecem na hora de completar a declaração como: qual a forma de declarar planos de previdência privada VGBL e PGBL? Quais são os principais cuidados que se deve ter antes de preencher a declaração? Quais os documentos que preciso para declarar o IR? Eu consigo declarar sozinho ou preciso de um contado? O professor Jefferson Fisher da Faculdade Opet ajuda a esclarecer essas dúvidas. Confira:
Como declarar planos de previdência privada PGBL e VGBL?

Os investimentos feitos em planos de previdência privada ao longo de 2016 devem ser informados pelo contribuinte na declaração do Imposto de Renda 2017. A forma varia de acordo com o tipo de plano. Veja quais são os procedimentos para declarar contratos de VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) e PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre). No PGBL, o contribuinte pode descontar o que aplicou até o limite de 12% de sua renda tributável. As contribuições ao PGBL e Fapi devem ser informadas na ficha Pagamentos Efetuados, de acordo com o código referente a cada uma dessas contribuições (códigos 36 ou 38 da ficha, respectivamente). A dedução de até 12% de sua renda tributável só é feita no modelo completo de declaração. O próprio programa da Receita calcula o limite de 12%. Se optar pelo desconto simplificado, não vai aproveitar a dedução do imposto.

Referente ao VGBL, as contribuições devem ser declaradas na ficha Bens e Direitos sob o código 97. O valor do rendimento obtido ao longo do ano não deve ser declarado; é preciso colocar apenas o valor da contribuição feita no período.

Quais são os principais cuidados que se deve ter antes de preencher a declaração?

É importante ter todos os comprovantes de rendimentos, extratos de gastos que serão deduzidos e de aplicações financeiras em mãos. Isso facilita o preenchimento da declaração. Ter organizada a vida financeira no ano-base em questão, 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2016, ajuda muito. Escolher entre o modelo simplificado ou completo é mais fácil do que parece. O próprio programa do ajuste anual permite simular a declaração nos dois modelos e indica opção mais vantajosa ao contribuinte. O simplificado permite desconto de 20% da renda tributável do ano e é uma boa opção para quem não tem muitas despesas para deduzir.

Eu consigo declarar sozinho ou preciso de um contador?

A declaração do imposto de renda é uma obrigação anual de todos os brasileiros que tem um CPF e alguma renda. Para que não entende bem o que é, o imposto de renda é um pagamento que você faz ao governo de parte do dinheiro que você ganhou durante o ano. Pode chegar até a 27,5% da sua renda, caso ela seja mais elevada. Se você quer fazer você mesmo a sua declaração do imposto, siga os passos abaixo, mas não tenha preguiça de ler e consultar as informações oficiais no site da Receita Federal.

• Durante todo ao ano, guarde documentos que comprovem: despesas médicas, despesas com educação, impostos pagos mensalmente como carnê leão ou outros que você tenha.

• Anote também todas as suas fontes de renda como empregos, ganhos em ações, vendas de imóveis, veículos, gado, etc.

• Tenha também anotado as despesas em imóveis, veículos e outros bens de maior valor que estejam em seu nome.

• Caso não tenha recebido ainda, solicite o informe de rendimentos nas empresas que trabalhou durante o ano anterior.

• Solicite nos bancos em que tem conta o extrato do imposto de renda. Geralmente este extrato pode ser retirado na internet mesmo, pelo site do seu banco.

• Se você é beneficiário do INSS, tire também o extrato para imposto de renda no site da Previdência Social.

• Se você tem dependentes ou alimentandos, tenha também os dados e documentos de rendimentos e despesas dedutíveis dos mesmos.

Certo. Tenho todos estes documentos. O que faço agora?

O próximo passo é baixar o programa de declaração do imposto de renda no site da receita federal. Ele geralmente é disponibilizado no início do ano e a cada ano há uma versão diferentes, com melhorias e atualizações.
O programa da receita tem tornado cada vez mais simples fazer a própria declaração e basta seguir atentamente os passos preenchendo todos os campos que forem pertinentes. O help do programa e do site da receita federal é bem completo.

Por outro lado, a responsabilidade de fazer a própria declaração é grande e você não deve transmiti-la enquanto não tiver certeza de que está correta e completa. Converse com amigos, contadores e pessoas que já tem experiência para saber a melhor maneira de fazer sua declaração. Com o tempo você verá que é até bem simples.

E lembre-se: omitir ou manipular os dados fornecidos é crime e poderá resultar em graves sanções, sendo uma boa multa a menor delas! A Receita Federal é exímia em descobrir falhas nas declarações.

Avatar
Mirian Gasparin
Mirian Gasparin, natural de Curitiba, é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduada em Finanças Corporativas pela Universidade Federal do Paraná. Profissional com experiência de 44 anos na área de jornalismo, sendo 42 somente na área econômica, com trabalhos pela Rádio Cultura de Curitiba, Jornal Indústria & Comércio e Jornal Gazeta do Povo. Também foi assessora de imprensa das Secretarias de Estado da Fazenda, da Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico e da Comunicação Social. Desde abril de 2006 é colunista de Negócios da Rádio BandNews Curitiba e escreveu para a revista Soluções do Sebrae/PR. Também é professora titular nos cursos de Jornalismo e Ciências Contábeis da Universidade Tuiuti do Paraná. Ministra cursos para empresários e executivos de empresas paranaenses, de São Paulo e Rio de Janeiro sobre Comunicação e Língua Portuguesa e faz palestras sobre Investimentos. Em julho de 2007 veio um novo desafio profissional, com o blog de Economia no Portal Jornale. Em abril de 2013 passou a ter um blog de Economia no portal Jornal e Notícias. E a partir de maio de 2014, quando completou 40 anos de jornalismo, lançou seu blog independente. Nestes 11 anos de blog, mais de 20 mil matérias foram postadas. Ao longo de sua carreira recebeu 18 prêmios, com destaque para Prêmio Fecomércio de Jornalismo (1º lugar Internet em 2017 e 2016);Prêmio Sistema Fiep de Jornalismo (1º lugar Internet – 2014 e 3º lugar Internet – 2015); Melhor Jornalista de Economia do Paraná concedido pelo Conselho Regional de Economia do Paraná (agosto de 2010); Prêmio Associação Comercial do Paraná de Jornalismo de Economia (outubro de 2010), Destaque do Jornalismo Econômico do Paraná -Shopping Novo Batel (março de 2011). Em dezembro de 2009 ganhou o prêmio Destaque em Radiodifusão nos Melhores do Ano do jornal Diário Popular. Demais prêmios: Prêmio Ceag de Jornalismo, Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná, atual Sebrae (1987), Prêmio Cidade de Curitiba na categoria Jornalismo Econômico da Câmara Municipal de Curitiba (1990), Prêmio Qualidade Paraná, da International, Exporters Services (1991), Prêmio Abril de Jornalismo, Editora Abril (1992), Prêmio destaque de Jornalismo Econômico, Fiat Allis (1993), Prêmio Mercosul e o Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (1995), As mulheres pioneiras no jornalismo do Paraná, Conselho Estadual da Mulher do Paraná (1996), Mulher de Destaque, Câmara Municipal de Curitiba (1999), Reconhecimento profissional, Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná (2005), Reconhecimento profissional, Rotary Club de Curitiba Gralha Azul (2005). Faz parte da publicação “Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia”, livro organizado por Eduardo Ribeiro e Engel Paschoal que traz os maiores nomes do Jornalismo Econômico brasileiro.
https://www.miriangasparin.com.br

Deixe uma resposta

Top